A Prefeitura de Campo Grande deve apostar na contratação de mais 29 auditores e arrecadação de impostos para conseguir manter o limite de gastos com pessoal dentro da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), informou a secretária de Finanças Márcia Hokama, durante agenda nesta quinta-feira (1º).

Nesta semana, balanço divulgado pela própria administração municipal apontou que o gasto com pessoal está em 55,2% da receita corrente líquida, ou seja, 1,2% acima do limite máximo. Para 2024, a projeção é de que o município alcance o limite de 55,07% para que chegue em 2032 dentro dos 54%.

Hokama destacou o projeto aprovado no fim do ano que aumenta o repasse dos auditores em relação à produtividade, estimulando a fiscalização na arrecadação.

“Os auditores estão, por exemplo, multando terrenos onde não é feita a manutenção. Mas a ideia é também chamar mais auditores para aumentar essa arrecadação. No entanto, tudo tem que ser estudado e avaliado, já que esse ano temos também concurso para professores”, explicou.

A proposta já havia sido avaliada pela secretária no ano passado como alternativa para aumentar a arrecadação.

Foto de capa: Márcia Hokama, secretária de Finanças de Campo Grande (Nathalia Alcântara, Midiamax)