Os desdobramentos da operação Cartão Vermelho, desencadeada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) contra a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul e Francisco Cezário, mandatário da instituição há 26 anos, serão acompanhados pela comissão de Desporto da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, Rinaldo Modesto (Podemos) disse ao Jornal Midiamax que os deputados devem “acompanhar de perto [a operação] até porque tem dinheiro público envolvido”.

O deputado ressaltou, no entanto, que é preciso ter calma, visto que os cumprimentos de 14 mandados de busca e 7 de prisão temporária ainda estão em curso em Campo Grande, Três Lagoas e Dourados.

“É natural que todos os cidadãos de Mato Grosso do Sul têm o direito de acompanhar pare passo o que está acontecendo. Onde tem recurso público, temos que estar analisando com muita cautela. A comissão vai acompanhar”, completou Rinaldo.

Grupo investigado por desviar R$ 6 milhões de Federação de Futebol

Conforme informações do Gaeco, o grupo realizava pequenos saques de até R$ 5 mil para não chamar atenção dos órgãos de controle. De setembro de 2018 a fevereiro de 2023, foram identificados desvios que superaram os R$ 6 milhões.

Somente durante o cumprimento dos mandados nesta terça-feira foram apreendidos mais de R$ 800 mil.

Os valores eram distribuídos entre os integrantes da organização criminosa. O esquema se estendia também a outras empresas que recebiam altas quantias da federação. Assim, uma parte dos valores era devolvida ‘por fora’ ao grupo.

A organização criminosa também possuía um esquema de desvio de diárias dos hotéis pagos pelo Estado de MS em jogos do Campeonato Estadual de Futebol.