Entre os dez projetos que serão colocados em discussão nesta segunda-feira (6) na Municipal, durante a 5ª sessão ordinária, está um que institui o uso do colar de girassol como instrumento auxiliar de orientação para identificação de pessoas com deficiências ocultas.

A proposta foi apresentada pelo vereador Juscelino Cabral (PSDB), consta da pré-pauta aprovada na reunião realizada na manhã desta segunda-feira e será em primeira discussão e votação pelos vereadores.

O uso do colar ainda não é uma prática comum no Brasil, mas é bastante difundido em outros países, como os Estados Unidos. Por meio desse instrumento, os pacientes com autismo e Doença de Crohn podem ser identificados.

Na prática, com o uso do colar, também conhecido como ‘cordão girassol’, as equipes de atendimento de supermercados, bancos, farmácias, bares, restaurantes, lojas, consultórios ou outros tipos de estabelecimentos que trabalham com o público, devem priorizar a assistência a esse cliente e aos acompanhantes dele.

A utilização do cordão é capaz de evitar ou amenizar situações de alto estresse em filas e atrasos, tornando a experiência dessas pessoas mais tranquila. No Brasil, a medida já é adotada em Belo Horizonte, onde uma lei que trata do tema foi sancionada pela prefeitura.

Além da proposta de uso do colar, os demais projetos da pré-pauta estão relacionados às denominações de ruas e inclusão de datas comemorativas no calendário municipal da cidade.