O governador Eduardo Riedel (PSDB) se reúne nesta terça-feira (19) com os ministros Renan Filho, licenciado do Ministério do Transporte e George Santoro, interino do Ministério dos Transporte, além de Simone Tebet, ministra do Planejamento e Orçamento para assinatura de ordem de serviço.

A ordem de serviço é destinada para de acesso à Ponte Bioceânica, que no mês passado teve incidentes envolvendo caminhonetes atoladas em estradas com poucas condições de tráfego para veículos pesados. Durante expedição teste da rota, uma carga de 13 toneladas de carne bovina de Mato Grosso do Sul chegou ficar parado na aduana de sem nenhuma documentação para exportação.

Conforme divulgado pela assessoria de comunicação do governador, a Ordem de Serviço de acesso será assinada às 10h, no Bioparque Pantanal. O compromisso acontece após agenda na segunda-feira (18) com os ministros Meio Ambiente Marina Silva, do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias, além de Simone Tebet, onde assinaram termo de adesão do Programa Brasil Sem Fome e a assinatura da sanção da Lei do Pantanal.

‘Falha Bioceânica'

O que era para ser o ‘test drive' da Rota Bioceânica expôs a falta de preparo da organização da III Expedição da Rota de Integração Latino-Americana. Isso porque a carga de 13 toneladas de carne bovina de Mato Grosso do Sul chegou a aduana de Ponta Porã sem nenhuma documentação para exportação.

O caminhão estava carregado com bovina do Friboi, da JBS, e sob responsabilidade do Setlog (Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística de MS), que encabeça a expedição ao Chile junto com a Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação).

Apesar de todo o aparato das instituições, empresários e políticos, a carga chegou a Ponta Porã no dia 24 de novembro sem nenhuma documentação para exportação e nem chegou a dar entrada na aduana. A expectativa era de que a carga chegasse ao norte do Chile, no Porto de Iquique, no dia 29 e encontrasse a equipe.

Porém, de acordo com a Receita Federal em Ponta Porã, faltou preparo e organização da equipe da Rota Bioceânica. “O caminhão chegou na sexta-feira (24), às 16h e não tinha nenhum documento para exportação. Esses documentos começaram a ser elaborados a partir da primeira hora desta segunda-feira (27), sendo que foi contratado um despachante para realizar esse trabalho”, disse a Receita Federal em nota naquela ocasião.

Expedição com 100 pessoas não evita ‘mico diplomático'

A viagem que começou no dia 24 de novembro foi a terceira expedição da Rila (Rota de Integração Latino-Americana), que tem objetivo de percorrer todo o trajeto da rota bioceânica, de até Iquique, no Chile.

Neste ano, 30 veículos e 100 pessoas participam da expedição, entre eles políticos caronistas que deixam a atuação nos cargos de origem para participar da viagem que protagoniza ampla ação de marketing.

No domingo, dia 26, a viagem teve incidentes envolvendo caminhonetes atoladas em estradas com poucas condições de tráfego para veículos pesados.