Após o plenário da Câmara dos Deputados rejeitar o requerimento de urgência do PDL (Projeto de Decreto Legislativo), que visava sustar o decreto do presidente Lula (PT) que restringe o acesso às armas, deputados de MS articulam nova votação.

O deputado federal Rodolfo Nogueira (PL) divulgou nesta quinta-feira (7), que apresentou nova urgência para PDL do decreto de Lula. O congressista afirmou que está colhendo novas assinaturas para um novo requerimento de urgência que prevê a apreciação do projeto que susta decreto de Lula sobre o acesso às armas.

Na sessão de quarta-feira (6), o primeiro requerimento de urgência foi rejeitado no Plenário, não atingindo número de votos necessário para aprovação.

“Vamos conseguir derrubar esse decreto que foi publicado em julho deste ano e que reduz o número de armas e munições que poderão ser adquiridas por civis, incluindo os Caçadores, Atiradores e Colecionadores (CACs)”, afirmou Nogueira. O primeiro requerimento faltou apenas três votos para ser aprovado.

Outro integrante da bancada de MS e pró-armas, deputado federal Marcos Pollon (PL), publicou em sua página do Instagram a relação dos parlamentares que votaram favoráveis ao requerimento, os contrários e os que abstiveram-se.

“Por uma margem de apenas três votos, não logramos obter a aprovação urgente do PDL que revoga os decretos arbitrários e de vingança do Lula e Dino, relacionados às restrições ao acesso às armas. O aspecto mais indignante é a ausência de votos de vários deputados da oposição! Isso é completamente inaceitável”, escreveu Pollon, referente a deputados do Partido Liberal que foram contra a urgência do requerimento.

A urgência para analisar o Projeto de Decreto Legislativo recebeu 254 favoráveis. Para ele ser aprovado precisaria de maioria simples, que é de 257.