A Câmara Municipal de Campo Grande deve votar o aumento do salário da prefeita, Adriane Lopes (Patriota), somente após o impasse envolvendo o reajuste dos professores da Reme (Rede Municipal de Ensino) ser resolvido.

Segundo o presidente da , vereador Carlão (PSB), o dos professores é visto como prioridade no momento.

“Como a Câmara vai votar o projeto [reajuste da prefeita], com professores em greve buscando uma reposição justa”, disse o parlamentar.

Carlão lembrou que uma das justificas para o não cumprimento do acordo firmado entre ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Pública) e prefeitura é a falta de recursos financeiros por parte do Executivo.

Assim, o presidente considera não ser possível conceder o aumento para a prefeita.

Auditores fiscais pediram aumento de salário

A discussão envolvendo o aumento salarial de Adriane Lopes, que passará de R$ 21,2 mil para R$ 35,4 mil, voltou a tona após auditores fiscais do município compareceram na sessão realizada nesta terça-feira (13) pedindo agilidade na votação do projeto, parado desde outubro deste ano.

Carlão afirmou considerar o pedido justo e relembrou que a categoria não recebe aumentos há 11 anos.

Vale lembrar que a remuneração da categoria não pode ultrapassar os ganhos da chefe do Executivo Municipal. Ou seja, é necessário que o reajuste seja aprovado para que a categoria também tenha aumento no salário.

De acordo com o projeto, o salário da prefeita, que é de R$ 21,2 mil, deve aumentar para R$ 35,4 mil após provação da proposta. Os secretários passariam a ganhar R$ 30,1 mil e o vice-prefeito R$ 31,9 mil.

Carlão relembrou não ser possível discutir um aumento desse tipo, enquanto o Executivo alega não possuir recursos para o pagamento dos professores.

Ao Jornal Midiamax o presidente também comentou que a prefeita afirmou não querer receber o aumento. “Ela disse que não quer, mas aí ela pode doar esse valor para alguma instituição que preferir”.

Por fim, Carlão também comentou não saber se a votação sobre o salário da prefeita acontecerá ainda neste ano.

“Amanhã eu tenho uma reunião com a ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), dependendo de como for a conversa. Porém, só vamos começar a discutir reajuste da prefeita após resolvermos a situação com os professores”, finalizou.

Nova reunião entre prefeita e professores

Nesta segunda-feira (12), a ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) se reuniu pela primeira vez com a prefeita Adriane Lopes (Patriota).

O encontro ocorreu após a greve dos profissionais de educação, que paralisou as atividades por cerca de uma semana em .

A reunião aconteceu na Prefeitura Municipal e estabeleceu nova reunião na quarta-feira (14) para discutir o reajuste salarial da categoria.

Conforme o novo presidente da ACP, Gilvano Bronzoni, a prefeita não apresentou uma proposta no encontro, pois não estava na companhia da equipe técnica de finanças e gestão.

Com isso, ficou definido que a negociação sobre o reajuste de 10,39% ficará para a quarta-feira.