Política

Apesar de aumento de casos, Câmara de Campo Grande deve manter trabalho presencial 'por enquanto'

Vereadores participaram das sessões de forma presencial e a população estava autorizada a entrar no plenário até dezembro

Mayara Bueno Publicado em 07/01/2022, às 10h17 - Atualizado às 10h28

Vereadores durante sessão na Câmara Municipal de Campo Grande
Vereadores durante sessão na Câmara Municipal de Campo Grande - (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo)

O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador Carlos Augusto Borges (PSB), afirmou nesta semana que os trabalhos da Casa de Leis devem permanecer presenciais em fevereiro. Pelo menos essa é a possibilidade considerada agora, mas medidas restritivas podem ser adotadas depois, caso as confirmações de Covid-19 aumentem ainda mais. 

Após festas de fim de ano, descoberta de nova variante, além de casos de gripe H3N2 e flurona, a procura por testes e casos positivos aumentou consideravelmente em Campo Grande. No Centro de Testagem, houve elevação de 300% de pessoas em busca de exames.

Atualmente, os vereadores estão em recesso, voltando em 2 de fevereiro. Desde o começo da pandemia, os parlamentares fizeram sessões remotas e presenciais, de acordo com o momento da pandemia.

Mais recentemente, o ano de 2021 terminou com o prédio aberto para a população acompanhar as reuniões e os vereadores todos em plenário, com exigência de máscara e uso de álcool em gel.

A reportagem procurou o presidente novamente, para verificar se há alguma mudança sobre eventuais restrições e aguarda retorno.

Jornal Midiamax