A ponte bioceânica economizará '17 dias de rio' para transporte de produtos e reduzirá de 25% a 35% o preço do frete, de acordo com o governador de Mato Grosso do Sul, (PSDB). Ele está em Porto Murtinho para lançamento da pedra fundamental da obra, em solenidade que deve contar com os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benitez.

“Hoje estou vendo parte da concretização da rota, para trazer competição aos produtos brasileiros e fazer a ligação dos quatro países com a ponte bioceânica. Nós já temos acesso a BR-267 e o Dnit [Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes] vai licitar a obra que vai integrar a rota. Hoje o Marito [presidente do país vizinho, como é conhecido] inicia outro trecho que vai até a e isso vai trazer competitividade e economia de dias de rio”.

O chefe do Executivo estadual citou produtos como carnes processadas, celulose, soja, milho, que são transportados. Na espera pelo início da solenidade, assessores do governo paraguaio reforçaram que a ponte é demonstração do compromisso das duas nações com projeto de integração regional — a expectativa é que a obra seja concluída em 2024.

A ponte bioceânica será construída no km 1.000 da Hidrovia do Paraguai, a cerca de 4 quilômetros do centro urbano de Porto Murtinho e custará 89,5 milhões de dólares, com recursos da Binacional. Serão 680 metros, duas pistas de rolagem (12,5 metros de largura, e duas passagens nas laterais, com 2,5 metros cada uma, para o trânsito de pedestres e ciclistas). 

Nesta manhã, a cerimônia acontece em uma tenda instalada às margens do Rio Paraguai, em Carmelo Peralta, no Paraguai, e a meia hora de barco de Murtinho, de onde se avista a área escolhida para construção da ponte.