Política

Ex-ministros da Bolívia pedem asilo político em Mato Grosso do Sul

Políticos são acusados de integrar grupo que liderou golpe de Estado contra Evo Morales, que renunciou em 2019

Da Redação Publicado em 10/05/2021, às 15h19

Áñez e seu gabinete, em fevereiro de 2020.
Áñez e seu gabinete, em fevereiro de 2020. - Foto: Arquivo/Agência Boliviana de Informação

Cinco ex-ministros da Bolívia pediram asilo político no Brasil. Pelo menos três deles estão em Campo Grande e Corumbá e os demais no Acre e no Amapá.

A informação foi revelada nesta segunda-feira (10) pelo jornalista Leandro Mazzini, da Coluna Esplanada. A identidade dos políticos não foi divulgada por questões de segurança.

O Ministério da Justiça informou ao colunista que não pode revelar “eventuais pedidos ou processos de refúgio, devido ao sigilo previsto em lei”.

Os cinco foram membros do gabinete da ex-presidente interina do país vizinho, Jeanine Áñez. Ela foi presa em março acusada de sedição, crime de insurreição contra autoridade constituída; conspiração e terrorismo.

O grupo político é apontado como responsável por um golpe de Estado em novembro de 2019. Na ocasião, o então presidente Evo Morales renunciou após intensos protestos. A cúpula militar chegou a pedir que ele deixasse o cargo.

Morales foi reeleito pela quarta vez um mês antes da crise, em um pleito que opositores e a OEA (Organização dos Estados Americanos) apontaram como fraudulento. Com a renúncia de outros membros da linha sucessória, Áñez assumiu a presidência como segunda vice-presidente do Senado.

Ex-ministro da Economia, Luis Arce foi eleito presidente em outubro de 2020 em um pleito suplementar. Morales voltou à Bolívia após a posse de seu ex-ministro da Economia.

Jornal Midiamax