Política

Com casos em alta, Marquinhos descarta flexibilizar toque de recolher em Campo Grande

Atualmente, restrição de circulação começa às 21 horas

Mayara Bueno Publicado em 13/04/2021, às 10h25

Centro de Campo Grande
Centro de Campo Grande - (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)

Com a pandemia ainda acelerada em Campo Grande, não há espaço para mais flexibilização. A avaliação é do prefeito Marquinhos Trad (PSD), que afirma que o toque de recolher, atualmente valendo das 21h às 5h, será mantido, também porque trata-se de decreto estadual.

"Não é questão de opção. Enquanto valer regra do governo, ainda que eu quisesse, não poderia flexibilizar", afirma. No entanto, o avanço alarmante da doença também não permitira relaxamento - mais restrições estão descartadas, por enquanto. Para o prefeito, as proibições 'já estão regradas de maneira bem acentuada'.

Apesar do cenário caótico e triste atualmente, estudo da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) indica que a situação deve melhorar a partir de maio. Um estudo feito por pesquisadores calcula o pico da pandemia para 30 de abril. O pico indica o auge da pandemia de coronavírus, o que quer dizer que o número de casos pode começar a diminuir no próximo mês.

O que temos hoje, no entanto, é taxa de ocupação de leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes com covid em 100%. Todas as 583 vagas existentes em 102 hospitais para pacientes em estado grave com Covid-19 estão ocupadas. 

Jornal Midiamax