Política

Câmara ‘muda’ distribuição de gabinetes e vereadores começam 2021 organizando espaços

Chamados para sessão extraordinária, os vereadores de Campo Grande estiveram na Câmara Municipal de Campo Grande 36 dias antes do início das sessões. Na quarta-feira (13), eles aprovaram a reserva de R$ 20 milhões para compra de vacinas contra o Covid-19 e, logo após a primeira reunião do ano, a maioria dos parlamentares foi para […]

Mayara Bueno Publicado em 16/01/2021, às 09h51 - Atualizado às 15h46

Corredor da Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Jornal Midiamax).
Corredor da Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Jornal Midiamax). - Corredor da Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Jornal Midiamax).

Chamados para sessão extraordinária, os vereadores de Campo Grande estiveram na Câmara Municipal de Campo Grande 36 dias antes do início das sessões. Na quarta-feira (13), eles aprovaram a reserva de R$ 20 milhões para compra de vacinas contra o Covid-19 e, logo após a primeira reunião do ano, a maioria dos parlamentares foi para seus gabinetes.

Câmara 'muda' distribuição de gabinetes e vereadores começam 2021 organizando espaços
Movimento na Câmara Municipal em 13 de janeiro. (Foto: Henrique Arakaki, Jornal Midiamax).

Com formatação nova, já que 17 dos vereadores eleitos em 2020 são de primeiro mandato ou retornam ao Legislativo depois de um período distante, a configuração dos gabinetes mudou um pouco. Quem chega no prédio pela recepção vira à esquerda e logo na frente, à direita, é o corredor onde estão acomodados os parlamentares novos.

Por lá, a movimentação no dia 13 era grande, com servidores circulando e com o nome de cada vereador nas portas, ainda escrito em papel sulfite, o que sugere organização provisória. No corredor do fundo, há tanto vereadores reeleitos, quanto os de primeiro mandato.

Agora ex-presidente da Câmara Municipal, o vereador João Rocha (PSDB) voltou ao gabinete ocupado por ele quando não dirigia os trabalhos. Na legislatura passada, Wellington de Oliveira (PSDB) é quem trabalhava no local. Ainda na quarta-feira, o parlamentar comentou que está organizando, retomando à rotina no local.

Presidência

Proposta a ser votada nesta quarta-feira prevê possibilidade de compra caso doses do Ministério da Saúde não cheguem
Vereador Carlão, presidente da Câmara de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Jornal Midiamax).

Na sala da presidência, agora ocupada por Carlos Augusto Borges, conhecido como Carlão (PSB), a movimentação parecia ser a mesma. Ele mesmo disse que sentou na cadeira de dirigente pela primeira vez em 13 de janeiro, quando concedeu entrevista à imprensa sobre o projeto de autorização da compra de vacinas.  Mas, a mudança de cenário é evidente. Fotos da família nas prateleiras e uma do próprio presidente atrás da cadeira onde senta.

Os vereadores voltam ao prédio para início das reuniões, caso não haja nova sessão extraordinária, só em 18 de fevereiro. Carlão explicou que, em início de legislatura, o regimento interno preconiza começo dos trabalhos na segunda quinzena de fevereiro. Até lá, antigos e novatos garantem que estarão trabalhando no mandato, com definição de projetos e organização de suas equipes e gabinetes.

Jornal Midiamax