Política

Alvo da PF, vereadora nega acusações e diz que prerrogativas como advogada foram violadas

Vereadora disse que mandado foi cumprido apenas por agentes homens e que ela estava de roupas íntimas

Marcos Morandi Publicado em 18/11/2021, às 10h03

None

Investigada pela operação “A verdade vos libertará”, a vereadora de Dourados Daniella Hall (PSD) disse na manhã desta quinta-feira (18), em entrevista coletiva, que não tem nada a temer, uma vez que as denúncias são vazias. Ela também aproveitou para criticar a ação da Polícia Federal durante cumprimento de mandado de busca e apreensão.

“Quem denunciou que prove e em relação a isso ele não tem nenhum documento que comprometa a minha ação enquanto parlamentar. Estamos nos inteirando da denúncia para apresentar nossa defesa neste processo”, comentou a vereadora, que foi presidente da Câmara de Vereadores de Dourados na gestão passada.

Daniela disse que já tinha informação do processo, que corre desde março, por conta de uma denúncia de um candidato do PSD. “Ele alega ter recebido dinheiro não contabilizado na campanha eleitoral de 2020. Eu já tinha sido chamada pela PF e já fui ouvida”, comentou a parlamentar.

A ex-presidente da Câmara, ressaltou que, no mandado que foi cumprido na sua casa, os agentes apreenderam uma ata e também o seu celular. “Embora os agentes tenham sido respeitosos, violaram umas prerrogativas minhas, como advogada, de ter comigo um representante da OAB”, relatou Hall.

A vereadora disse ainda que a OAB só soube do cumprimento de mandado pela imprensa. “Desde já fica aqui a minha indignação, até porque meu escritório de advocacia é na minha casa. Além disso, lá estiveram quatro agentes e mais duas testemunhas, todos homens e eu estava de roupas íntimas e eles não me permitiram trocar”, lamentou a presidente do Diretório Municipal do PSD.

Jornal Midiamax