Política

Vereadores criticam colega que se afastou com medo do coronavírus mas não se isolou

Depois de anunciar apresentação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sem dizer qual seria o motivo para investigação, o vereador Vinicius Siqueira (PSL) foi cobrado por parlamentares quanto a ausência nas sessões, devido à pandemia de coronavírus (Covid-19), mas sem cumprimento de isolamento. Afastado das atividades desde março, alegando integrar grupo de risco, Siqueira v...

Mayara Bueno Publicado em 30/04/2020, às 12h32 - Atualizado em 19/07/2020, às 19h49

Vereador Vinicius Siqueira (PSL), na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Reprodução)
Vereador Vinicius Siqueira (PSL), na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Reprodução) - Vereador Vinicius Siqueira (PSL), na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Reprodução)

Depois de anunciar apresentação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sem dizer qual seria o motivo para investigação, o vereador Vinicius Siqueira (PSL) foi cobrado por parlamentares quanto a ausência nas sessões, devido à pandemia de coronavírus (Covid-19), mas sem cumprimento de isolamento.

Afastado das atividades desde março, alegando integrar grupo de risco, Siqueira voltou à Casa de Leis nesta quinta-feira (30) e, no primeiro discurso, feito sem uso da máscara, falou sobre pedido de apuração contra Águas Guariroba, concessionária do serviço de água e esgoto.

“A população tem reclamado, levantando muitos questionamentos e essa casa não pode ficar em silêncio ou omissa. Proponho a CPI da Águas, começa hoje a operação esgoto, os vereadores que quiserem assinar, fiquem a vontade”.

O parlamentar, no entanto, não explicou qual seria o fato determinado – critério fundamental para criação de uma investigação parlamentar. A fala gerou reação imediata do líder do prefeito na Câmara Municipal, vereador Chiquinho Telles (PSD), que afirmou se tratar de ‘discurso fácil e eleitoreiro’.

“O vereador trabalha quatro anos, indo nos quatro cantos da cidade atirar em toda Câmara. Vereador Vinicius Siqueira não precisa disso, gosto do seu trabalho, está no grupo de risco, ficou quantos dias fora, volta hoje, mas enquanto ficou fora, saiu atirando em todo mundo”.

Segundo Chiquinho, Siqueira recebe reclamação e já busca a mídia para falar que é verdade, sem verificar se a denúncia procede. “O senhor vem aqui propor uma CPI da Águas, mas o que apresentou para os vereadores? Pedir para assinar o que? Baseado em que?”.

O vereador Otávio Trad (PSD) também criticou a postura do parlamentar do PSL, pedindo para que ele se explique porque pediu afastamento, alegando fazer parte do grupo de risco, mas continuou andando pelas ruas e dando entrevistas.
“Qual é o critério e coerência que vossa excelência usou? Se uma pessoa pede afastamento do trabalho, mas é visto na rua, ou, pior, fotografado em festas e eventos? Vamos aguardar suas justificativas, em respeito a nós que continuamos a trabalhar e, enquanto aqueles que alegaram grupo de risco, estavam em casa preservando sua vida e cumprindo o isolamento”.
Em 24 de março, o presidente da Casa de Leis, vereador João Rocha (PSDB), leu durante sessão daquele dia requerimentos sobre afastamento de vereadores por causa da pandemia. Um deles era Siqueira. Contudo, no dia 7 de abril, há vídeo publicado em sua rede social, feito em uma transmissão ao vivo, no qual o parlamentar fala sobre possíveis irregularidades no transporte público, em um terminal de Campo Grande.
Vereadores criticam colega que se afastou com medo do coronavírus mas não se isolou
Vereador Vinicius Siqueira em terminal, dia 7 de abril, sem uso de máscara. (Foto: Reprodução)
Jornal Midiamax