Política

Deputado faz indicação para uso de ‘kit’ em pacientes com coronavírus e colega rebate

O deputado Antônio Vaz (Republicanos) fez uma indicação à SES (Secretaria de Estado de Saúde) e ao Governo do Estado, para compra de kits de medicamentos como a Cloroquina e Ivermectina destinados ao tratamento de pacientes com coronavírus, logo quando a doença se manifestar. Porém, isso gerou debate em sessão nesta terça-feira (7). Após falar […]

Renata Volpe Publicado em 07/07/2020, às 11h53 - Atualizado em 14/07/2020, às 16h34

Sessões estão sendo feitas de modo remoto. (Luciana Nassar, Alems)
Sessões estão sendo feitas de modo remoto. (Luciana Nassar, Alems) - Sessões estão sendo feitas de modo remoto. (Luciana Nassar, Alems)

O deputado Antônio Vaz (Republicanos) fez uma indicação à SES (Secretaria de Estado de Saúde) e ao Governo do Estado, para compra de kits de medicamentos como a Cloroquina e Ivermectina destinados ao tratamento de pacientes com coronavírus, logo quando a doença se manifestar.

Porém, isso gerou debate em sessão nesta terça-feira (7). Após falar a indicação, Pedro Kemp (PT) rebateu dizendo ser complicado políticos indicarem remédios para a população tomar, sem comprovação eficaz.

Segundo Vaz, a Prefeitura de Campo Grande já adota a medida nos casos confirmados da Covid-19. “O protocolo que o prefeito assumiu, temos acompanhado no Brasil grupos de médicos no tratamento de prevenção do protocolo sobre a Ivermectina e Cloroquina e pedi ao governo e ao secretário de Saúde para este protocolo ser implantado no Estado todo”.

O parlamentar diz ainda que na cidade de Porto Feliz, os pacientes confirmados logo são tratados e os casos diminuíram. “A cidade teve 3 mortes. No Pará e em Natal, fala muito sobre tratamento logo no início, a pessoa tem chance maior de sobreviver”.

Vaz é presidente da Comissão de Saúde na Casa de Leis e diz estar acompanhando estudos sobre a doença. “Apesar de Geraldo Resende falar que não há comprovação científica, mas muitos médicos falam sobre isso. Indiquei pedindo ao governo esse kit de medicamentos para tratamento preventivo de Covid-19 e as prefeituras que quiserem, podem adotar. Acho que vai salvar muitas pessoas”.

Barbosinha (DEM) disse se lembrar da infância, quando tomava vermífugo. “Me lembro quando criança, nas férias, a gente tomava vermífugo. Temos informações que a Ivermectina vem produzindo resultado. Se não produz efeito colateral, por que não usar”, questionou.

“Posição política”

Porém, Kemp chamou a atenção de políticos fazerem indicações de medicamentos para população usar. “A comunidade científica ainda não recomenda nenhum medicamento com comprovada eficácia para tratamento da Covid-19. Todos os testes realizados em pacientes com esses medicamentos não mostraram melhora”.

O petista diz achar que quem defende esse tipo de protocolo, tem posição política. “O prefeito (Marquinhos Trad) praticamente endossando esse protocolo para tomar medicamento no início da doença. Acho complicado autoridades políticas fazerem prescrição de medicação à população, assim como Bolsonaro receitou Cloroquina”.

Por fim, Kemp diz que os deputados não devem transformar isso em questão política. “Tem que ser tratado como científico. Se você não tem sintoma e toma remédio, vai acabar para quem realmente precisa, como o caso da Hidroxicloroquina que é para tratamento do Lúpus”.

“A única forma de combater o coronavírus é o isolamento social”, finalizou o deputado.

Em contrapartida, Barbosinha dá razão a Kemp sobre a competência de indicação de medicamentos. “Kemp tem razão quando diz que não compete a nós a recomendação do uso de medicamentos. A indicação de Antônio Vaz endereça ao secretário de saúde para avaliação de alguns protocolos usados”.

Jornal Midiamax