Política

Alegando votação ilegal, Siqueira diz que vai à Justiça para impugnar convenção do PSL

Substituído durante a convenção do PSL, neste domingo (13), o vereador Vinícius Siqueira disse ao Jornal Midiamax que vai entrar com pedido de impugnação da reunião, no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul). Ele alega que a convenção infringiu o artigo 48 do regimento interno da legenda. Até então, o parlamentar era […]

Mayara Bueno Publicado em 13/09/2020, às 18h39 - Atualizado em 14/09/2020, às 08h58

Vereador Vinicius Siqueira (PSL), na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Reprodução)
Vereador Vinicius Siqueira (PSL), na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Reprodução) - Vereador Vinicius Siqueira (PSL), na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Reprodução)

Substituído durante a convenção do PSL, neste domingo (13), o vereador Vinícius Siqueira disse ao Jornal Midiamax que vai entrar com pedido de impugnação da reunião, no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul). Ele alega que a convenção infringiu o artigo 48 do regimento interno da legenda.

Até então, o parlamentar era o pré-candidato a prefeito do PSL. Mas, neste fim de semana, começaram rumores de que o deputado federal Loester Trutis (PSL) tiraria o vereador e se colocaria como candidato, baseando-se em supostas pesquisas internas.

Na convenção, os bastidores se confirmaram. Além disso, Trutis, após anunciar que seu nome estava colocado, assim como o de Vinícius Siqueira, disse que Executiva do partido votaria entre os dois – a análise foi fechada e, após retornarem a transmissão, anunciaram que, “por unanimidade”, Trutis seria o candidato e Lilian Durães, candidata a vice.

Siqueira, no entanto, afirma que as lideranças desrespeitaram o artigo 48, que diz quem tem direito a voto em convenções. São os membros titulares e os suplentes, estes quando convocados para suprir a falta dos membros, do Diretório municipal ou da Comissão Provisória municipal, além de representantes do partido na Câmara Municipal . Este é o caso em que Siqueira se enquadra, e, mesmo assim, não votou durante a reunião.

“Tomei a mesma facada, mas a minha foi no voto”, disse o vereador, fazendo referência ao que ocorreu com Jair Bolsonaro (sem partido), quando ele era candidato a presidente, em 2018. Vinícius Siqueira não quis comentar sobre eventual saída da legenda já que, além de ser barrado na candidatura à Prefeitura de Campo Grande, também não foi incluído na lista de candidatos a vereador pelo PSL.

Só vai comentar o rumo que tomará após resposta da Justiça Eleitoral sobre o pedido de impugnação da convenção deste domingo.

Jornal Midiamax