Política

Solidariedade avalia nomes para disputa de 2020 em Campo Grande

O Solidariedade pretende lançar nove candidatos a prefeitos em Mato Grosso do Sul e também disputar a cadeira de chefe do Executivo Municipal de Campo Grande. Os nomes para a disputa na Capital podem ficar entre os deputados Lucas de Lima e Herculano Borges. O partido já se organiza para a disputa política municipal do […]

Renata Volpe Publicado em 30/05/2019, às 12h51 - Atualizado às 18h08

Deputado Herculano Borges pode ser candidato para prefeitura de Campo Grande. (Foto: Luciana Nassar/ ALMS)
Deputado Herculano Borges pode ser candidato para prefeitura de Campo Grande. (Foto: Luciana Nassar/ ALMS) - Deputado Herculano Borges pode ser candidato para prefeitura de Campo Grande. (Foto: Luciana Nassar/ ALMS)

O Solidariedade pretende lançar nove candidatos a prefeitos em Mato Grosso do Sul e também disputar a cadeira de chefe do Executivo Municipal de Campo Grande.

Os nomes para a disputa na Capital podem ficar entre os deputados Lucas de Lima e Herculano Borges. O partido já se organiza para a disputa política municipal do próximo ano.

De acordo com Borges, a legenda quer fazer chapa pura para vereador. “Temos dois vereadores, que são o Eduardo Cury e o Papy. Queremos ampliar a bancada no legislativo e executivo”.

Borges afirmou que o correligionário Lucas de Lima se colocou como pré-candidato a prefeito. “Mas pode ser o Herculano também, tudo pode acontecer, vamos analisar o quadro. Lucas tem nome forte em Campo Grande, Herculano tem base consolidada, vamos analisar o momento e se percebermos que é uma boa para cidade, vamos encarar sim”.

Questionado se apoiaria o prefeito Marquinhos Trad (PSD) para reeleição, o deputado estadual comentou ser necessário fazer uma análise da situação. “Se formos apoiar alguém, que seja um candidato que tenha pensamento que o nosso. Que o partido possa participar da administração direta, a sigla está crescendo, tomando corpo”.

As eleições municipais são em outubro de 2020 e diferente da realizada em 2018, no próximo ano não haverá coligação, sendo que cada partido vai eleger seu candidato, com votos.

Jornal Midiamax