Política

Relação entre juiz e procurador precisa ser com absoluta transparência, diz ministro do STF

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Marco Aurélio Mello, afirmou que as conversas trocadas entre o então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e o procurador Deltan Dallagnol, põe em xeque a equidistância da Justiça e a relação entre juiz e procurador precisa ser com absoluta transparência. Em mensagens publicadas pelo site The […]

Renata Volpe Publicado em 10/06/2019, às 11h56

Ministro do STF, Marco Aurélio Mello. (Foto: Rosinei Coutinho/ STF)
Ministro do STF, Marco Aurélio Mello. (Foto: Rosinei Coutinho/ STF) - Ministro do STF, Marco Aurélio Mello. (Foto: Rosinei Coutinho/ STF)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Marco Aurélio Mello, afirmou que as conversas trocadas entre o então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e o procurador Deltan Dallagnol, põe em xeque a equidistância da Justiça e a relação entre juiz e procurador precisa ser com absoluta transparência.

Em mensagens publicadas pelo site The Intercept Brasil, mostram trocas de conversas entre Moro e Dallagnol sobre a Operação Lava Jato. Moro sugere ao MPF (Ministério Público Federal), trocar a ordem de fases da operação, a cobrança de realização de novas fases da operação, dado conselhos e pistas e antecipado ao menos uma decisão judicial.  

Segundo a Folha de São Paulo, o ministro Marco Aurélio afirmou que o fato coloca em dúvida a equidistância do órgão julgador, ao olhar do leigo. “ Agora as consequências eu não sei. Temos que aguardar”.

Ainda segundo o magistrado, a relação entre juiz e procurador, tem que ser tratada com absoluta transparência. “Tem que ser tratado no processo com ampla publicidade. De forma pública e transparente”.

Marco Aurélio evitou comentar detalhes sobre o caso. Ele disse ser preciso aguardar para analisar se as revelações terão alguma interferência na Operação Lava Jato.

Jornal Midiamax