Política

DATAmax: empatados para o senado, Moka conta com os votos de André

Ex-governador empatou com senador

Joaquim Padilha Publicado em 13/04/2018, às 14h12

None

Ex-governador empatou com senador

Pré-candidato à reeleição, o senador Waldemir Moka (MDB) resiste quanto ao resultado da pesquisa espontânea do Instituto DATAMax, que o apontou com 0,4% das intenções de voto ao Senado entre a população de Campo Grande. “Tem pouco valor, é muito cedo”, disse Moka.

“[Nas] pesquisas quantitativas nesse momento, a maioria doas pessoas não tem intenção de candidatura. É um percentual muito pequeno”, afirmou o senador. Entretanto, disse ter ficado “lisonjeado” por ter sido lembrado pelos eleitores. 

Correligionário da legenda de André Puccinelli (MDB), Moka avaliou que os votos do ex-governador seriam contabilizados para ele durante as eleições, uma vez que Puccinelli não irá disputar o Senado, e sim o governo estadual.

“Aparece o meu nome e do André. O cara que vai votar no André, a probabilidade dele votar em mim para senador é muito grande”, disse Moka. Ele e o ex-governador empataram em quinto e sexto lugar na pesquisa, ambos com 0,4% das intenções de voto.DATAmax: empatados para o senado, Moka conta com os votos de André

“Ele [eleitor] lembrou primeiro do André do que de mim, mas tirando o André dessa lista, não estou dizendo que é obrigatório, mas a probabilidade dele votar em mim é muito grande”, ressaltou o emedebista.

Pesquisa DATAmax

Segundo a pesquisa DATAmax divulgada nesta sexta-feira, 94,8% da população de Campo Grande não sabe em quem irá votar para o Senado Federal (82,6%), ou decidiu que irá votar nulo para a vaga de senador (12,2%).

Entre aqueles que citaram suas opções ao Senado, lideram as intenções de voto para o ex-governador e deputado federal Zeca do PT, com 1%, seguido pelo ex-prefeito Nelsinho Trad (PTB), com 0,7%.

O senador Pedro Chaves (PRB), que pretende disputar a reeleição, é o 4º com 0,5% da intenção de voto. Atrás dele estão André Puccinelli e o senador Waldemir Moka, ambos do MDB, este último já pré-candidato à reeleição para o Senado, enquanto o primeiro anunciou disputar o governo estadual.

Com 0,2% aparecem o pré-candidato ao governo do Estado, Odilon de Oliveira (PDT), o médico Ricardo Ayache (sem partido), e a vice-governadora Rose Modesto (PSDB), que deve pleitear uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Outros sete nomes foram lembrados por 0,1% dos eleitores campo-grandenses. São eles o procurador Sérgio Harfouche (PSC), Suel Ferranti (PSTU), Alcides Bernal (PP), Vander Loubet (PT), Marcelo Miglioli (PSDB), Paulo Siufi (MDB) e Delcídio do Amaral.

Jornal Midiamax