Política

Após ‘derrota’ na Câmara, prefeito promete revogar doação para igreja e sindicato

    Feita em 2015 e mantida pela Câmara dos Vereadores no mês passado, a doação de dois terrenos da Prefeitura de Campo Grande, para a Arquidiocese de Campo Grande e para o Setlog-MS (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul), pode ser revogada ainda esta semana, é […]

Ludyney Moura Publicado em 04/06/2018, às 10h11 - Atualizado às 12h41

Foto: Marcos Ermínio
Foto: Marcos Ermínio - Foto: Marcos Ermínio

Feita em 2015 e mantida pela Câmara dos Vereadores no mês passado, a doação de dois terrenos da Prefeitura de Campo Grande, para a Arquidiocese de Campo Grande e para o Setlog-MS (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul), pode ser revogada ainda esta semana, é o que prometeu o prefeito Marquinhos Trad (PSD) durante agenda pública na manhã desta segunda-feira (4).

Segundo o Chefe do Executivo, a decisão de revogar a doação não é da Prefeitura, que apenas seguiu uma recomendação do MP-MS (Ministério Público Estadual), que teria, segundo Trad, classificado o ato, da gestão de Gilmar Olarte, como ‘absolutamente afrontoso’.

Marquinhos afirmou que foi questionado pelo MP sobre qual o critério utilizado pela Prefeitura para escolher a Setlog e a Arquidiocese para a doação dos terrenos, que juntos custam quase R$ 8 milhões.

“Não soubemos responder”, destacou o prefeito, ao frisar que a doação foi feita há três anos.

Revogação

Na penúltima semana de maio, a Prefeitura enviou à Câmara um projeto de lei revogando a doação, que não foi aprovado por falta de votos.À época, o líder do prefeito reclamou da ausência de vereadores da base e prometeu reapresentar o projeto no próximo ano.

Todavia, Marquinhos revelou que após o revés na Câmara, ele já solicitou ao Procurador do Município que verifique uma medida jurídica para anular a doação.

“Assim eu farei. Vou tomar esse caminho e logo, até quarta-feira (6), podendo ser hoje ainda, vou tomar medida administrativa e vou sustar essa doação, que ao meu ver viola a legislação e traz prejuízo a Campo Grande”

Jornal Midiamax