Ministério teve corte de 43% em seu orçamento

O ministro interino da Cultura, João Batista de Andrade, concedeu entrevista à rádio Jovem Pan após entregar uma carta nesta sexta-feira (16) pedindo a demissão de seu cargo. Para o ex-ministro, houve um “grau de desrespeito” inadmissível com a pasta.

Batista apontou cortes de recursos sofridos ainda na época do ministro Roberto Freire. “Um Ministério que estava em uma situação absolutamente precária. Porque o Ministério tinha sofrido um corte de 43% do seu orçamento. Com esse corte, o Ministério mal consegue andar. Não consegue desenvolver projeto nenhum”, afirmou.

Para o ministro, a gosta d’água para pedir sua demissão foi a decisão do governo Federal de “passar por cima” da indicação do Ministério da Cultura para escolha do novo presidente da Ancine (Agência Nacional do Cinema).

“A Debora Ivanov era a indeicação de todas as entidades do cinema e também do Ministério da Cultura. O governo resolveu que vai nomear outra pessoa. E ao mesmo tempo já enviou pro Senado a indicação de uma outra pessoa para diretora, porque teria mais uma vaga na Ancine”, explica Batista.Ministro da Cultura diz que desrespeito do governo o levou a pedir demissão

“Atropelou completamente a iniciativa do Ministério”, desabafa. “Com o Ministério sem orçamento e desautorizado, eu pergunto: o que que eu tô fazendo aqui? Essa foi a gota d’água”.

O ministro da Cultura afirmou ainda que a situação deixa o Ministério “desprestigiado” e prevê, na atual circunstância, um futuro “péssimo” para a pasta.