Política

Governo aguarda resposta de bolivianos para viabilizar usina de R$ 1,8 bi em MS

Termoelétrica aguarda resposta de fornecimento de gás natural

Ludyney Moura Publicado em 08/05/2017, às 13h57

None
reinaldo.jpg

Termoelétrica aguarda resposta de fornecimento de gás natural

Se o governo boliviano garantir o fornecimento de um milhão de metros cúbicos a Mato Grosso do Sul, o município de Corumbá pode ser o destino de uma usina termoelétrica com investimento de R$ 1,8 bilhão, é o que garantiu o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

O tucano esteve na semana passada no país vizinho e se reuniu com o presidente boliviano, Evo Morales, para tratar da compra direta de gás natural pelo Estado, após 2019, quando vence o contrato de exclusividade da Petrobras com a Bolívia.

“Esse entendimento (da compra direta) depende muito do gasoduto Brasil-Bolívia. A MS Gás tem um duto que foi construído em Corumbá que pega o gás boliviano, compra seria feita por esse duto, até para potencializar Corumbá e Ladário”, disse o governador durante agenda pública na manhã desta segunda-feira (8).

Segundo Azambuja, Morales delegou a dois ministros de seu governo, de Hidrocarburos e de Energia, as tratativas comercias com Mato Grosso do Sul, Paraná, Mato Grosso, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Uma reunião em Florianópolis (SC) marcada para o próximo dia 22 de maio deve dar continuidade às negociações. Neste dia, o governo boliviano deve responder se consegue fornecer a quantidade de gás para a usina se instalar na região do Pantanal.  “Se sim, essa empresa vai entrar no leilão de energia do ministério de Minas e Energia (que deve acontecer no 2º semestre)”, explicou Reinaldo. 

Jornal Midiamax