Projeto deverá ser debatido também na Assembleia 

Apesar das manifestações contra a audiência pública ‘Escola Sem Partido', promovida pela Câmara de , o evento seguiu com apresentações dos seis pontos considerados primordiais ao projeto.

Um grupo favorável à proposta rebateu o coro de ‘fascistas' e ‘racistas' de movimentos de esquerda, principalmente contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), com gritos de ‘Vão pra Cuba', e o próprio parlamentar chegou a orientar as pessoas a não repetirem “palavras idiotas que não ajudam o projeto”.

Bolsonaro também citou que a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) e a ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), além de uma pesquisadora da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), teriam sido convidados, mas se recusaram a participar da audiência.

O vereador João Rocha (PSDB), presidente da Câmara, rebateu os manifestantes dizendo que audiência é um ato democrático, e os manifestantes deveriam respeitar as discussões. “Com agressividade e truculência não chegaremos a nada”, disse o tucano pedindo respeito ao debate.

O procurador do Estado de São Paulo e fundador do projeto, Miguel Nagib, fez questão de rebater principais pontos que os opositores tem levanto. Segundo ele, as questões políticas poderão sim ser tratadas dentro de sala de aula, desde que o professor não promova suas crenças próprias.

No campo da biologia, por exemplo, o aluno não pode ser ridicularizado por sua crença no criacionismo, mas isso não impede do professor apresentar outras correntes e indicar qual, em sua opinião, seria a mais correta.

“Não cria censura ao professor. A constituição garante a liberdade de ensinar”, disse Nagib, que sobre o viés ideológico, afirmou que a proposta ‘fere' os partidos de esquerda que se aparelharam do Estado, caso não respeitem o que está disposto no projeto.

A deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) frisou que vai levar a discussão para Assembleia Legislativa, mesmo que isso resulte em ‘escracho e humilhação'.

Protesto

Logo após o início da audiência, o grupo que protestava contra o Escola Sem Partido, deixou o plenário da Câmara, e foi confrontado, já no lado de fora do prédio, por apoiadores do projeto, que os acusava de estarem ‘fugindo do debate'.

A audiência acontecerá durante toda a manhã desta segunda-feira (14), no plenário da Câmara, e está sendo transmitida ao vivo nas redes sociais do legislativo municipal.