Política

“Vivemos um paraíso da impunidade”, diz coordenador da Lava Jato

O Procurador da República participou de audiência na Câmara

Midiamax Publicado em 09/08/2016, às 16h13

Procurador Deltan Dallagnol. (Foto: reprodução/Reuters)
Procurador Deltan Dallagnol. (Foto: reprodução/Reuters) - Procurador Deltan Dallagnol. (Foto: reprodução/Reuters)

O Procurador da República participou de audiência na Câmara

O procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, disse nesta segunda-feira (9), durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que apenas uma pequena parcela dos crimes de corrupção é punida no país. Em sessão de debates da Comissão Especial de Combate à Corrupção criada este ano pela Câmara, Dallagnol citou estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), segundo o qual apenas 3% dos corruptos brasileiros são punidos. “Vivemos um paraíso da impunidade no Brasil”, disse.

Para o procurador, o crime de corrupção no Brasil é de baixo risco e alto benefício. Ainda que haja punição, “a pena dificilmente passará de quatro anos e provavelmente será prestação de serviços à comunidade e doação de cestas básicas”, destacou Dallagnol. Após o cumprimento de um quarto dessa pena, ela ainda pode ser perdoada, acrescentou o procurador.

Ele destacou o caráter apartidário da corrupção, afirmando que não adianta mudar o governo na tentativa de resolver o problema. “Se queremos mudar, tem que mudar o sistema”, disse Dallagnol, para quem a Lava Jato “é uma exceção que confirma a regra”.

Em março, o Ministério Público Federal (MPF) entregou à Câmara um abaixo-assinado com mais de 2 milhões de assinaturas em apoio a dez medidas que o órgão propõe para combater a corrupção.

Jornal Midiamax