Política

Questionado por Gleisi, Anastasia explica ausência em parte da reunião de Comissão

Ele lamentou a fala da senadora

Diego Alves Publicado em 04/05/2016, às 02h17

None
espelho.jpg

Ele lamentou a fala da senadora

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) questionou a ausência do relator do processo de admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), na parte final da reunião da Comissão Especial, na noite desta terça-feira (3). Pouco antes das 20h30, ela disse lamentar que o relator se retirasse quando outros senadores ainda estavam inscritos para fazer perguntas e os convidados ainda faziam suas explanações.Questionado por Gleisi, Anastasia explica ausência em parte da reunião de Comissão

— Não me parece correto o relator não ouvir os argumentos da defesa até o final — afirmou Gleisi.

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) lembrou que Anastasia informou no momento de sua saída, por volta das 19h15, que precisava ir até seu gabinete acertar os detalhes do seu parecer — que será apresentado na comissão nesta quarta-feira (4).

Pouco tempo depois, Anastasia retornou à comissão. Ele lamentou a fala da senadora Gleisi e disse que “não havia necessidade de uma assertiva desse tipo”. O relator negou ser ato de menosprezo e informou que pediu licença aos juristas e saiu com a autorização do presidente da comissão.

Anastasia ainda disse que tem procurado fazer um trabalho sério e registrou que tem sofrido vários tipos de ataque. Ele afirmou, porém, que está “tranquilo”. O relator pediu um convívio pacífico entre os senadores e condenou o que chamou de ato de “deslealdade” da senadora Gleisi. Segundo o relator, as perguntas estavam se tornando repetitivas e ele precisava se dedicar a seu trabalho.

— Eu preciso de um mínimo de tempo para fazer o relatório, que é muito complexo — declarou o relator.

A senadora Gleisi negou ter dito que “era desprezo”, mas disse somente “estranhar” o relator se retirar naquela situação. Na visão da senadora, o fato de as perguntas e respostas serem repetitivas não é argumento para ausência, pois, “se assim fosse, todos poderiam ir embora”.

— Eu nunca vi, em um processo de julgamento, um relator ir embora sem ouvir todas as testemunhas. Continuo estranhando da mesma forma — ponderou.

Para a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), todos poderiam entender a ausência do relator. Ela ainda disse para a senadora Gleisi, que “tem hora que é melhor só pedir desculpas pela indelicadeza do que seguir a postura da chefe, que é incapaz de reconhecer um equívoco”.

Jornal Midiamax