Política

Vereador passa vergonha depois de dizer que ninguém manda na Câmara

Uso de jatinho por Olarte não será investigado

Ludyney Moura Publicado em 01/04/2015, às 18h40

None
4b9ece5803e3ba6b39b57892ed8758b8.jpg

Uso de jatinho por Olarte não será investigado

O vereador Chiquinho Telles (PSD) passou constrangimento na Câmara minutos antes de defender os vereadores durante a sessão. Revoltado, Chiquinho criticou declaração do vereador Alex do PT, de que Gilmar Olarte (PP) mandava mais do que Nelsinho Trad (PMDB) na Câmara.

Incisivo, o vereador disse que Alex foi irresponsável e infeliz ao dizer que o Executivo mandava na Casa, o que garantiu nunca ter acontecido. Chiquinho ainda pediu para Alex explicar se tem alguém que manda na Câmara. Nenhum outro vereador ajudou Chiquinho a criticar Alex, talvez pela posição que tomariam minutos depois.

Dos 20 vereadores presentes, 12 foram contra o pedido de satisfação ao prefeito por ter usado, junto com a esposa Andréia Olarte, jatinho da Itel, empresa que tem contrato milionário com a Prefeitura, para viagem a Brasília.

O líder do prefeito, Edil Albuquerque (PMDB), disse que o pedido era eleitoreiro e argumentou que não deixaria a oposição pautar os trabalhos. Foi o recado para os vereadores, que imediatamente atenderam. “Com o meu líder”, disse Flávio César (PTdoB) ao abdicar do trabalho de vereador, que é de fiscalizar, para agradar o prefeito.

O vereador Carlão (PSB) chegou a dizer que estava junto porque confiava e também votou com Edil e contra a resposta pedida pela oposição. Chiquinho só não passou vergonha maior porque honrou com as palavras ditas no começo da sessão, afirmando que não seria contra requerimento pedindo satisfação do prefeito.

O presidente da Câmara, Mario Cesar (PMDB), chegou a ficar irritado com Alex do PT, pedindo para ele parar de criticar o posicionamento dos colegas, que continuaram a dizer amém para o boicote ao trabalho deles.

A equipe de reportagem chegou a questionar alguns vereadores, que não demonstraram nenhum constrangimento. Airton Saraiva (DEM), por exemplo, disse que tinha lado e consciência tranquila, mesmo lembrado que estava abrindo mão do trabalho para o qual foi eleito, que é de fiscalizar o Poder Legislativo.

Votaram a favor do boicote à investigação os vereadores: Edil Albuquerque, Airton Saraiva, Flávio Cesar, Carlão, Francisco Saci (PRTB), Otávio Trad (PTdoB), Magali Picarelli (PMDB), Vanderlei Cabeludo (PMDB), Chocolate (PP), Herculano Borges (SD), Alceu Bueno (PSL) e Dr. Loester (PMDB).

O pedido de investigação foi acatado apenas pelos vereadores Chiquinho Telles, Alex do PT, Thais Helena (PT), Ayrton do PT, Luiza Ribeiro (PPS), Cazuza (PP), Paulo Pedra (PDT) e José Chadid (sem partido). 

Jornal Midiamax