Política

Debate sobre maioridade penal volta a dividir opiniões em Plenário

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) criticou a emenda

Diego Alves Publicado em 02/07/2015, às 02h27

None
3149832435-plenario-da-camara-dos-deputados-durante-sessao-de-votacao-da-reforma-politica.jpg

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) criticou a emenda

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) criticou a emenda que permite a redução da maioridade penal. Ele é voz dissonante dentro do próprio partido. Perondi disse que a mudança vai repercutir mal nos tribunais e não vai resolver a questão da criminalidade.

“A saída é o Estatuto da Criança e do Adolescente. Não adianta vender carne de picanha e oferecer carne de terceira”, disse Perondi, que também pediu aos deputados que não ouçam “à imbecilidade da internet”.

Já o deputado Beto Mansur (PRB-SP) defendeu a proposta. Ele disse que a mudança da maioridade penal não anula esforços para melhorar a educação de crianças e adolescentes, para que eles não recorram ao crime. “Precismos colocar na cadeia aquele que mata, estupra, tira a vida das pessoas”, disse.

O líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), disse que respeita as posições divergentes do partido, mas vai defender que jovens entre 16 e 17 anos que cometem crimes hediondos sejam julgados e condenados como adultos. “O PMDB vai reafirmar a sua posição. A proposta é equilibrada, ela é restrita e é a resposta que a sociedade anseia não por capricho, mas porque não aguenta mais a impunidade”, disse.

Picciani disse ter certeza de que a proposta de hoje terá mais votos que o texto rejeitado pelo Plenário na madrugada desta quarta-feira.

Jornal Midiamax