Hoje a investigação completa 38 dias, vereadores não querem prorrogação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Contas Públicas corre contra o tempo para analisar mais de 200 mil páginas documentais nos próximos 52 dias. Isso porque o primeiro prazo para o término da apuração acaba no final de julho e, segundo o presidente da investigação vereador Eduardo Romero (PTdoB), a intenção é não pedir prorrogação de mais um mês, como prevê a lei.

Para intensificar a análise, ficou definido que esta semana não haverá oitivas. “Vamos ver se conseguimos adiantar o máximo nos próximos 15 dias porque os nomes a serem convocados sairão do que for analisado. É correr contra o tempo para terminar tudo em 90 dias”, explicou. Como o objetivo principal é saber se houve nomeação excessiva por parte do prefeito de , Gilmar Olarte (PP), as nomeações, contratações por meio da Sociedade Caritativa e Humanitária (Seleta) e Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (Omep) e comissionados serão apurados primeiro.

“Vamos cruzar todos os dados e verificar se batem com as prestações feitas pelo Executivo quadrimestralmente e divulgações feitas pelo Diário Oficial, se precisar vamos solicitar novos documentos”, completou Romero. Além disso, as informações já colhidas durante oitivas serão igualmente usadas e contrastadas. As 200 mil páginas foram enviadas por inúmeras secretarias desde que a comissão foi instaurada. Somente na semana passada 40 caixas lotadas de papeis chegaram à Câmara Municipal.

O presidente destacou, ainda, que ao decorrer da investigação novas demandas podem surgir, tendo em vista que o período a ser analisado vai de janeiro de 2011 a abril de 2015. Desta forma os ex-prefeitos da Capital, Nelson Trad Filho (PMDB) e Alcides Bernal (PP), bem como os respectivos secretários da época podem ser ouvidos.