Política

Câmara aprova 55 emendas da LDO, Assembleia coloca o projeto em votação na proxima semana

Vereadores votaram texto hoje em segunda discussão

Jessica Benitez Publicado em 09/07/2015, às 16h41

None
camara.jpg

Vereadores votaram texto hoje em segunda discussão

Os vereadores de Campo Grande aprovaram, em segunda discussão, 55 das 71 emendas apresentadas à (LDO) Lei de Diretrizes Orçamentárias durante sessão ordinária desta quinta-feira. O texto dispõe sobre as diretrizes para elaboração da Lei Orçamentária do município de Campo Grande para o exercício financeiro de 2016. As outras 16 emendas não aprovadas foram declaradas prejudicadas. Agora a proposta segue para sanção do prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP). 

As emendas são de autoria dos vereadores Eduardo Romero (PTdoB), Carlos Broges (PSB), Betinho (PRB), Chiquinho Telles (PSD), Gilmar da Cruz (PRB), Magali Picarelli (PMDB), João Rocha (PSDB), Carla Stephanini (PMDB), Paulo Siufi (PMDB), Luiza Ribeiro (PPS), Vanderlei Cabeludo (PMDB), Chocolate (PP) e Paulo Pedra PDT). Entre os temas contemplados com emendas estão: educação, saúde, social, infra-estrutura, acessibilidade, educação ambiental, economia solidária, diversidade de expressão, combate à violência, segurança, dentre outros.

 Romero, que é relator do projeto, disse que “a Lei Orçamentária será encaminhada à Câmara Municipal até o dia 30 de setembro e é por meio dela que o Executivo vai direcionar recursos e as obras previstos para 2016 como, por exemplo, infra-estrutura e serviços”, afirmou.

Na Assembleia Legislativa os deputados estaduais têm até hoje para adicionar emendas à LDO enviada pelo Governo do Estado à Casa de Leis. Até agora sete foram acrescentadas, sendo três de autoria de Beto Pereira (PDT), o mesmo número por parte de Felipe Orro (PDT) e uma da bancada do PT.

Segundo o presidente do Legislativo, Junior Mochi (PMDB), a votação do texto ocorre nas sessões de terça e quarta-feira da semana que vem. O relator da medida e presidente da CCJ, José Carlos Barbosa (PSB) ainda não emitiu parecer, mas acredita que não haverá problemas. “Falta analisar as emendas”, completou.

Jornal Midiamax