Política

Prefeito diz que investimentos de R$ 420 milhões só dependem dos vereadores

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), jogou para os vereadores a responsabilidade sobre os dois projetos enviados à Câmara para financiamento de R$ 420 milhões a serem investidos na pavimentação e drenagem de 12 bairros (R$ 300 milhões) e para Mobilidade Urbana (R$ 120 milhões), que visa construção e reforma de terminais de […]

Arquivo Publicado em 04/07/2013, às 11h58

None

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), jogou para os vereadores a responsabilidade sobre os dois projetos enviados à Câmara para financiamento de R$ 420 milhões a serem investidos na pavimentação e drenagem de 12 bairros (R$ 300 milhões) e para Mobilidade Urbana (R$ 120 milhões), que visa construção e reforma de terminais de ônibus, além de corredores exclusivos para o transporte coletivo.

O prefeito espera que os vereadores votem o projeto ainda nesta quinta-feira (4) para que não corra o risco de perder. Porém, os vereadores já declararam que não vão votar o projeto sem que a prefeitura diga qual o valor das parcelas e capacidade de pagamento por parte da prefeitura.

“São estórias que vão criando para trazer dificuldades. Entreguei os projetos nas mãos deles e pedi para votar com urgência. Lá está especificado o valor, tempo para pagar. Tem tudo. O juro é extremamente acessível. É quase que nenhum ser for analisar”, garantiu.

Segundo Bernal, os juros estão dentro da condição da prefeitura e é preciso protocolar até o final do mês para não correr risco de perder. “Fui lá, o Semy (Secretário de Obras, Semy Ferraz) foi lá, o secretário de Planejamento (Wanderlei Ben Hur), também. Já debruçamos em cima do projeto. Se não votar vão prejudicar Campo Grande. Estão criando dificuldade e quem perde é Campo Grande”, afirmou.

Bernal rechaçou a reclamação de alguns vereadores, de que o projeto não atende todos os bairros de Campo Grande. Ele afirma que priorizou os bairros mais antigos e que foram esquecidos. “São projetos que incluem pavimentação e drenagem. É uma obra completa e não meia boca. Espero que aprovem antes do recesso para não prejudicar a cidade, criando mais dificuldade do que já criam, com questionamentos que só fazem perder tempo”, alfinetou.

Jornal Midiamax