Política

Noite promete ser longa na guerra por votos contra e a favor da cassação de Bernal

A Câmara de Campo Grande está bastante movimentada na manhã desta segunda-feira (7). Nos corredores, a dúvida é a mesma, seja entre aliados ou opositores ao prefeito: será que a comissão processante sai? O prefeito Alcides Bernal (PP) precisa conseguir apenas 10 dos 29 votos na Câmara para se livrar da cassação, mas com uma […]

Arquivo Publicado em 07/10/2013, às 16h30

None
90490988.jpg

A Câmara de Campo Grande está bastante movimentada na manhã desta segunda-feira (7). Nos corredores, a dúvida é a mesma, seja entre aliados ou opositores ao prefeito: será que a comissão processante sai? O prefeito Alcides Bernal (PP) precisa conseguir apenas 10 dos 29 votos na Câmara para se livrar da cassação, mas com uma difícil relação até com aliados, o prefeito ainda corre risco de enfrentar a comissão processante.

Com muitos votos indefinidos, o dia promete ser longo nesta segunda-feira, semelhante ao anterior a escolha do presidente da Câmara. Depois desta disputa do começo do ano, quando Mário César (PMDB) venceu Rose Modesto (PSDB), esta é a segunda vez que a Câmara se divide bastante sobre um tema na Casa.

No começo do ano, Rose estava do lado do prefeito e chegou a ser indicada por ele para a presidência. Porém, Bernal não se atentou a importância de ter uma base na Casa, não ouviu aliados na hora de compor o secretariado e mergulhou em uma crise quase que interminável com a Câmara. O prefeito não conseguiu chegar a 10 vereadores na base de sustentação e, pior do que isso, conseguiu perder dois dos poucos que tinha quando começou a administração: Rose Modesto e Waldecy Chocolate.

A dupla, que poderia ser contada facilmente na votação pró-Bernal, hoje pode ser decisiva para abertura da comissão. Rose saiu da base a pedido do PSDB por insatisfação com o espaço dado ao partido, que ajudou a elegê-lo, mas a situação ficou ainda pior quando ela foi proibida de entrar nas escolas municipais, a mando da Secretaria de Educação, comandada por José Chadid, que é do mesmo partido dela.

A briga de Chocolate com Bernal é ainda pior. A dupla tinha uma grande amizade no começo da administração, mas Chocolate conta que tudo mudou quando ele disse ao prefeito que não aceitaria ser “marionete” e tomaria conta, sozinho de seu mandato. Hoje, ele não conversa com o prefeito e apesar de ser contado pela base, vota de maneira independente.

O vereador Carlão também estava no grupo de oposição ao prefeito Alcides Bernal, mas nos últimos dias anunciou que pode integrar a base de sustentação. Com isso, também virou dúvida, embora garanta que hoje decide se estará junto com o grupo político que está há muitos anos ou mudará “da água para o vinho”, como ele mesmo definiu. Além de Carlão, Chocolate e Rose, que ainda deixam aliados em dúvida, o grupo dos indefinidos é reforçado pelo vereador Coringa (PSD) e vereador Dr. Jamal (PR), que nos últimos dias andou visitando o prefeito, acompanhado do deputado Paulo Corrêa (PR).

Procurado pela reportagem, Dr. Jamal e Rose não atenderam as ligações. O vereador Waldecy Chocolate declarou que a cabeça está fervendo, mas que tomará uma decisão feita com o coração e com a consciência. Já o vereador Coringa informou que os três vereadores do PSD vão fazer uma reunião na tarde de hoje para definir como votar, já que seguirão por um mesmo caminho.

Jornal Midiamax