Política

Força de Bernal já é almejada por candidatos ao governo em 2014

O candidato do PP à Prefeitura de Campo Grande, deputado Alcides Bernal, viveu fortes emoções nos últimos meses, antes e durante a campanha na Capital. A candidatura, vista por muitos como duvidosa e sem força para encarar os demais partidos, acabou se consolidando e fez o candidato ser o mais votado no primeiro turno, com […]

Arquivo Publicado em 16/10/2012, às 19h19

None

O candidato do PP à Prefeitura de Campo Grande, deputado Alcides Bernal, viveu fortes emoções nos últimos meses, antes e durante a campanha na Capital. A candidatura, vista por muitos como duvidosa e sem força para encarar os demais partidos, acabou se consolidando e fez o candidato ser o mais votado no primeiro turno, com 40,18% dos votos.

No segundo turno, como já havia combinado, a oposição se juntou e o PP, dito antes por Bernal como o Davi que enfrentaria o Golias, conta agora com a companhia do PT e dos antigos aliados do PMDB, o PSDB, PPS e PV. Passada a indefinição sobre apoios, os partidos agora se focam na vitória na eleição em 2012, mas já pensando no futuro do Estado, visto que em 2014 André Puccinelli (PMDB) terá que deixar o Governo.

O vereador Athayde Nery (PPS), primeiro do grupo de Reinaldo Azambuja (PSDB) a declarar apoio a Bernal, avalia que a ideia de uma terceira via foi fundamental para a decisão da eleição no primeiro turno. Ele acredita que o resultado da eleição criou um novo grupo, que já começa a se alinhar para 2014.

Athayde entende que o PT tem um “belo candidato”, Delcídio do Amaral, mas avalia que Bernal também terá outro candidato para apoiar. Para defender a tese de que Bernal deveria apoiar o candidato de seu grupo, Athayde diz que a aliança, composta por PMN, PSDB e PPS foi o que mais trouxe capital político para a chapa de Giroto.

Apesar das disputas futuras, Athayde prefere focar em 2012, comparando a eleição com a de 1996 , quando Zeca do PT perdeu por poucos votos e depois chegou ao Governo do Estado. “É importante que o povo entrou e a disputa não está polarizada em dois partidos”, avaliou o vereador.

Após a união da oposição, muitos já acreditam na possibilidade de dobradinha entre Reinaldo Azambuja e Delcídio Amaral, que se candidatariam a senador e governador, respectivamente. Porém, este desejo extrapola os interesses regionais e atinge os diretórios nacionais do partido, visto que em 2014 a presidente Dilma Rousseff (PT) deve enfrentar Aécio Neves (PSDB) na disputa pela presidência da República.

Jornal Midiamax