Polícia / Trânsito

Morre advogada envolvida em acidente com bitrem na MS-306 em Chapadão do Sul

A advogada Alessandra Peliccione Alves de Barros morreu depois de receber os primeiros atendimentos no Hospital Municipal de Chapadão do Sul – a 325 km de Campo Grande. Ela estava no Citroën que colidiu frontalmente contra um bitrem da Empresa Campovita conduzido por Mauro Batista de Oliveira, 52, logo depois do  meio-dia de ontem (5), […]

Arquivo Publicado em 06/12/2013, às 11h21

None
1732590903.jpg

A advogada Alessandra Peliccione Alves de Barros morreu depois de receber os primeiros atendimentos no Hospital Municipal de Chapadão do Sul – a 325 km de Campo Grande. Ela estava no Citroën que colidiu frontalmente contra um bitrem da Empresa Campovita conduzido por Mauro Batista de Oliveira, 52, logo depois do  meio-dia de ontem (5), há cerca de 20 quilômetros de Chapadão do Sul em direção de Costa Rica.

A única versão do acidente até o momento é do motorista Mauro Batista de Oliveira. Ele conduzia o bitrem HTP-1091, placas de Chapadão do Sul, com cerca de 35,5 toneladas de milho que seriam transportadas para outro estado. Alessandra Peliccione Alves de Barros seguia em direção de  Costa Rica e estaria indo para uma audiência no fórum.

Muito abalado Oliveira disse que o Citroën NHR-145, placas de Campo Grande, perdeu a estabilidade repentinamente e invadiu a contramão, tornando a colisão frontal inevitável. O bitrem passou por cima da frente do carro, transformando o veículo em um monte de ferro retorcido.

Após a colisão o veículo saiu da pista, desceu um barranco sem capotar e abriu uma clareira numa plantação de milho. Toda a carenagem do lado esquerdo do bitrem foi destruída, inclusive o tanque de combustível que por sorte não explodiu.

Já Alessandra Peliccione Alves de Barros sofreu fraturas múltiplas e vários cortes. Apesar da violência do acidente ela estava – aparentemente – intacta e presa nas ferragens. Bombeiros lutaram contra o tempo para remover Alessandra, mas ela não suportou os ferimentos. Não há informações sobre a causa da morte.
Funcionários e a direção da Campovita também estiveram no local e se prontificaram em ajudar no que fosse possível naquele momento. A Polícia Militar fez o controle do grande movimento de carros na movimentada MS-306. Segundo advogados de Chapadão do Sul a vítima já tinha atuado no setor jurídico da Prefeitura de Chapadão do Sul.

Jornal Midiamax