Vídeo mostra o momento em que uma criança de 9 anos com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) e autismo foi agredida por outras em uma quadra de esportes de um conjunto habitacional em , cidade a 312 quilômetros de Campo Grande, na noite da última quarta-feira (14).

Algumas crianças o agridem e outras tentam separar. A família tomou conhecimento do ocorrido após as imagens terem sido publicadas nas redes sociais. Naína Dibo, presidente da PRO D TEA (Associação de Pais e Responsáveis Organizados pelos Deficientes e Transtorno do Espectro Autista), informou que a família já fez um boletim de ocorrência. “Menino tinha saído de casa e quando voltou não contou nada. Ficaram sabendo depois pelas redes sociais”, disse.

Além disso, Naína relata que Ponta Porã não possui psicólogo, para o atendimento destes casos durante a confecção do boletim de ocorrência. O psicólogo atende na escuta de crianças, pessoas especiais, mulheres e outras vítimas em situação de vulnerabilidade, durante o registro policial.

Alexandre Figueiredo, representante do MOAB em (Movimento do Orgulho Autista) conta que já fez o pedido, junto a um parlamentar da Legislativa para que haja o psicólogo para o atendimento na cidade. “Necessita da escuta, que é ofertado para crianças, mulheres ou pessoas em vulnerabilidade”, diz. A reportagem entrou em contato com a família que informou que retornaria a ligação, porém não houve o retorno até a publicação.