Câmeras de segurança flagraram o empresário Arthur Torres Navarro dirigindo em alta velocidade após fugir do acidente que matou o motoentregador Hudson de Oliveira Ferreira aos 39 anos na Rua Antônio Maria Coelho, em Campo Grande. 

O acidente aconteceu na noite do dia 22 de março e Hudson morreu dois dias depois na Santa Casa da Capital. O dono do carro de luxo se apresentou na delegacia somente duas semanas após o crime, e alegou que fugiu por ‘achar que não era grave’. 

Conforme as imagens, primeiramente, passa uma caminhonete, de cor branca, e um Gol, de cor preta, por um quebra-molas com faixa de pedestres. Segundos depois, o Porsche Cayenne passa em alta velocidade pelo mesmo local, diferente dos outros dois veículos que transitaram em velocidade aparentemente permitida na via.

A câmera também captou Arthur dirigindo o Porsche em alta velocidade de outro ângulo. O caso está sendo investigado pela 3ª Delegacia de Polícia Civil, que também solicitou exames de perícia para apurar se o motorista estaria em alta velocidade quando atropelou o motoentregador. 

O empresário teria acabado de sair do bar em que é proprietário, quando se envolveu no acidente, a caminho de casa. No carro, estava ele e um funcionário. O funcionário poderá responder por omissão de socorro por não ter prestado socorro ao motoentregador

Arthur ficou com o Porsche parado de sexta a domingo, quando levou o carro para a casa do irmão e a peça danificada para um martelinho.

Em áudio desesperador enviado a esposa na noite do dia 22, Hudson pede que ela vá até o local do acidente o mais rápido possível. Ele teve a lateral direita da moto atingida pelo carro, que lhe causou fratura exposta na perna. 

“Vem aqui, cara. Vem ligeiro, vida. Acabou com a minha perna, acabou”, diz o motoentregador. Logo, a esposa responde: “Estou indo aí, espera aí” e finaliza dizendo que outra pessoa também está a caminho para ajudar a socorrê-lo.

O motoentregador foi socorrido e levado para a Santa Casa, mas morreu na madrugada de domingo, dia 24 de março, por embolia pulmonar, politraumatismo, ação contundente devido à colisão automobilística.