O Sigo, principal ferramenta para registros de ocorrências da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, apresenta instabilidades. Com o sistema fora do ar, a população não consegue formalizar denúncias.

O problema, conforme relatos, ocorre desde a última semana. Uma leitora do Jornal Midiamax afirma que procurou várias delegacias de Campo Grande para registrar um boletim de ocorrência por ameaça, no entanto, o sistema estava fora do ar.

“Fui na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário do Centro, na 5ª Delegacia de Polícia e me mandaram voltar depois porque não conseguem registrar a ocorrência. Está assim desde a semana passada”, afirma.

Segundo a mulher, que não quis se identificar, a informação nas delegacias é de que o sistema apresenta instabilidades e impedem a conclusão dos registros. “Me disseram que estão conseguindo fazer dois, três boletins de ocorrência por dia. Em uma das delegacias fiquei das 13 às 17 horas e não consegui registrar a ameaça. Se acontece alguma coisa comigo não consigo nem provar que tentei registrar”, ressalta.

Procurada pela equipe de reportagem do Jornal Midiamax, a Sejusp MS (Secretária de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul) informou que equipes da Superintendência de Tecnologia da Informação em parceria com a COMPNET realizam ações de monitoramento da aplicação e manutenção na infraestrutura de hospedagem do sistema Sigo e buscam soluções dos problemas de performance na plataforma.

Até o momento não há prazo para que o sistema seja estabilizado e as oscilações ainda persistem.