Policiais da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) e fiscais da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) apreenderam mais de uma tonelada de carnes impróprias para consumo em um supermercado em , a cerca de 50 quilômetros de Campo Grande. A apreensão foi realizada nesta sexta-feira (1) e o proprietário foi preso.

Este foi o segundo estabelecimento fiscalizado nesta sexta-feira. A dona de uma casa de carnes também foi presa por vender carnes clandestinas. Em ambos os locais, os produtos foram apreendidos e encaminhados para descarte.

No supermercado, a fiscalização teve início pelo açougue. O local não havia passado pelo Serviço de Inspeção Municipal, não tem licença sanitária e não possui responsável técnico. Conforme as informações, as carnes não tinham procedência e eram abatidas de forma clandestina.

Durante a fiscalização as equipes encontraram pedaços de coração inteiros, o que é proibido no Estado, além de carne bovina com medula, o que também é proibido pelo risco de transmissão da doença da vaca louca.

Peças de pulmão, que não são vendidas por frigoríficos, carnes suínas clandestinas, mel falsificados e queijos impróprios para consumo e com risco de contaminação, também foram apreendidos. O proprietário foi preso em flagrante e encaminhado para a delegacia da cidade.

“No local também foram apreendidos peças de queijo caipira em desacordo com a legislação e com grande possibilidade de contaminação cruzada entre os alimentos inspecionados e os clandestinos, por isso todo os alimentos que ocupam os mesmos espaços por garantia a saúde pública foram apreendidos e descartado de forma sanitária como exige a lei”, informou o Decon.

Casa de Carne Interditadas

Durante as fiscalizações, a dona de uma casa de carnes também foi presa por vender carnes clandestinas em Jaraguari. Os animais eram abatidos nos pastos e sem os cuidados exigidos pela vigilância sanitária.

Conforme informações apuradas pela equipe de reportagem do Jornal Midiamax, os animais eram abatidos clandestinamente dentro do pasto, em seguida, as carnes eram colocadas à venda nos estabelecimentos comerciais.

No açougue foram apreendidos 137 kg de carnes sem procedência, linguiças caseiras impróprias para consumo e fabricadas pela dona do estabelecimento, que usava temperos vencidos. O local foi interditado.

As fiscalizações realizadas pela Decon e pela Iagro serão intensificadas em março, em celebração ao mês do consumidor.