O peruano Edgard Anthony la Rosa, que matou a mulher Akemy Maruyama e a cunhada Michele Maruyama, ambas campo-grandenses, foi condenado a prisão perpétua. O crime aconteceu em 2015, na cidade de Handa, no Japão.

Conforme o site Metrópoles, a sentença foi publicada nesta terça-feira (27), no Tribunal Distrital de Nagoya, no país onde ocorreu o crime. O julgamento ocorre há algumas semanas e o Ministério Público do Japão já havia pedido a prisão perpétua de Edgard.

Akemi e Michele foram assassinadas no dia 31 de dezembro de 2015, o apartamento onde moravam. A imprensa local divulgou que as duas teriam sido estranguladas. Depois de matar a mulher e a cunhada, Edgard teria incendiado o local.

O acusado do duplo homicídio chegou a ser casado por seis anos com Akemy, com quem teve duas filhas. Eles estariam separados há cerca de três meses quando ocorreu o crime.

Perfil Agressivo

Na época do crime, Maria Aparecida Amarilha Scardin, mãe das vítimas, havia afirmado ao Jornal Midiamax que o acusado era agressivo e que já havia tentado matar a filha mais velha de Akemi.

“Ele mau tratava a menina com socos e até tentou enforcá-la, daí a polícia japonesa interviu. Ela ficou cinco meses vivendo esse terror e depois foi levada para um abrigo, onde ficou por um ano e meio, até eu conseguir trazer ela de volta, já com nove anos”, relatou à reportagem, na época.