A Fronteira Oeste II resultou em um prejuízo ao crime organizado estimado em R$ 157,8 milhões. A ação é comandada pelo Ministério da Defesa nos estados de , Mato Grosso e Paraná há mais de 100 dias e deve continuar pelas próximas semanas. 

O balanço da operação até o momento foi divulgado durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (22), no CMO (Comando Militar do Oeste), em

Na última semana, as fiscalizações resultaram na apreensão de R$ 4 milhões de drogas em Mato Grosso do Sul. A 18ª Brigada de Infantaria de Pantanal, em Corumbá, a 425 km da Capital, apreendeu cerca de 163 quilos de cocaína na “estrada do lixão”, na parte alta do município, na fronteira com a Bolívia. 

Em cerca de três meses de operação, cerca de 45 pessoas foram detidas devido ao envolvimento de ilícitos. 

Confira o balanço da operação que resultou em valor estimado de R$ 157,8 milhões:

  • Apreensão de mais de 25,6 toneladas de drogas;
  • R$ 9,7 milhões em valor de veículos apreendidos; 
  • Mais de 222,368 pacotes de cigarros apreendidos;
  • R$ 54,8 milhões em valor de escavadeiras.

Foram empenhados dois mil militares do Exército Brasileiro todos os dias para a operação, além de militares das outras forças de segurança. Os principais produtos apreendidos durante a operação de fiscalização nas fronteiras dos três estados são as drogas. 

“Tem variado de estado para estado devido ao tamanho da fronteira, mas tráfico de drogas é o que tem gerado as maiores apreensões do ilícito. Também há muito descaminho de cargas de cigarros, mas o tráfico de drogas é o que tem gerado mais apreensões”, afirma o General de Exército André Luís Novaes Miranda, comandante de operações terrestres.

De acordo com os militares, um dos pontos altos dessa operação tem sido a troca de informações de capacidade e a sinergia entre as forças armadas com as agências. 

A 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Dourados, a 229 km de Campo Grande, apreendeu R$ 51 milhões e produtos ilícitos. Na lista estão 9,73 mil quilos de maconha, 112,45 quilos de pasta base de cocaína, 7 armas, 184.135 pacotes de cigarros e R$ 19 milhões contabilizados em materiais fruto de descaminho.

Centro de Monitoramento

O trabalho realizado na fronteira também conta com o apoio do Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras). Nesse local, os militares monitoram 63 torres, a maioria do e Segurança Pública, espalhadas pela fronteira de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

Essas torres de telecomunicações passam as informações para os militares durante 24 horas por dia na sala de inteligência.

Como denunciar? 

O general de Exército Luiz Fernando Estorilho Baganha, comandante Militar do Oeste, afirma que a denúncia da população é fundamental no combate ao crime organizado. 

“Nós percebemos que, além da atividade de inteligência, a gente precisa contar com a população. Temos um resultado positivo e inclusive pretendemos ampliar para o meio digital”, afirma. 

Os interessados podem fazer denúncias sem custo e de forma anônima pelo telefone 0800 358 0007.

*Alterada às 13h28 para correção de informação.