As investigações sobre a execução do professor de e atleta do grupo Ginasloucos, Igor Tavares dos Santos, de 26 anos, que já resultou na prisão de quatro suspeitos, apontam para crime passional. A informação é da Polícia Civil.

Segundo o delegado Fernando Henrique Araújo Silva, a principal hipótese é que crime foi motivado devido ao envolvimento de Igor com a esposa de um homem que cumpria por tráfico de drogas, que não teve a identidade revelada.

De acordo com a Polícia Civil, até momento foram expedidos cinco mandados de prisão temporária. Além disso, foram cumpridos três mandados de busca e , que resultaram na apreensão de 2g de cocaína, três munições de arma de fogo e aparelhos de telefones celulares.

O professor foi executado na madrugada do dia 14 de janeiro, durante uma confraternização numa casa localizada no bairro Vila Nova, em , na região de fronteira com o Paraguai.

O atirador estava encapuzado e invadiu o imóvel e atirou contra Igor, que foi atingido com quatro tiros nas costas e um na região da nuca. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Outros dois rapazes, de 23 e 28 anos, foram baleados e encaminhados para atendimento médico. Um foi atingido na mão e o outro no braço.