Helicóptero da Casa Militar de que caiu no fim da manhã desta quinta-feira (18), nas proximidades do Aeroporto Santa Maria, em Campo Grande, será periciado pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos). 

A delegada Ana Cláudia Medina, do Dracco (Departamento de Repressão à e ao Crime Organizado), informou que o Cenipa estará no local onde ocorreu a queda a partir desta sexta-feira (19) para realizar os trabalhos de perícia, já iniciados nesta quinta (18). 

Conforme nota oficial do Governo do Estado, o helicóptero estava com quatro servidores, sendo dois pilotos e dois tripulantes e apenas um deles teria sofrido ferimentos leves. Estavam a bordo: dois coronéis – que pilotavam o helicóptero –, um sargento e um subtenente da Casa Militar.

O Jornal Midiamax apurou que um dos coronéis que estava a bordo da aeronave teria sido socorrido com lesão na coluna.

Delegada Ana Cláudia Medina, do Dracco. (Foto: Arquivo, Midiamax)

A delegada também afirmou que o acidente foi grave, confirmou a pane no motor, mas ainda é precoce confirmar as causas.

“Nós recebemos relato do comandante de que faziam voo de rotina da unidade que opera a aeronave e que teve uma pane de motor. E para preservar vidas, ele entrou em pouso de emergência, denominado alta rotação e conseguiu trazer a aeronave ao solo sem maiores consequências”, explicou.

A aeronave sofreu uma pane no motor e pilonou – quando a aeronave colide a parte frontal no solo e ‘capota'. Ela realizava voo semanal de giro, realizado para preservação do equipamento, e estava há 20 minutos no ar, quando sofreu a pane.

“Precisamos aguardar o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos para que depois conclua os trabalhos da polícia judiciária”, acrescentou.

A aeronave, um Jet Ranger, era do supertraficante Ramirez Abadía. Após operação da PF (Polícia Federal) para apreendê-la, ela foi doada em 2013 ao Governo de Mato Grosso do Sul para combater o crime. 

Ainda segundo a delegada do Dracco, o helicóptero não consta como transferido, atualmente ele está apenas sob cautela do Estado de MS.

Além do Dracco, equipes da Polícia Civil estiveram no local, assim como socorristas do Corpo de Bombeiros e do (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).