Mais um funcionário de uma cooperativa foi identificado e subiu para seis o número de mortos em acidente na BR-163, entre Campo Grande e o distrito de Anhanduí, nesta quarta-feira (10). O acidente envolveu duas carretas, um caminhão pequeno e um carro de passeio. No carro, um Ônix, estava o casal Fernanda Lopes e Daniel, que também morreu.

No início desta tarde, uma equipe da cooperativa de alimentos responsável pela carga dos 210 suínos foi até o local e informou que, na carreta, haviam dois motoristas. Conforme a reportagem do Jornal Midiamax apurou, o corpo do homem foi localizado embaixo dos escombros. 

Ainda durante a manhã, um capacete foi encontrado em meio aos destroços, o que levantou suspeita de que um motociclista poderia estar envolvido no acidente. Entretanto, a família do casal que estava no carro de passeio confirmou que o capacete era dos dois e estava no interior do veículo. 

Meia pista da rodovia foi liberada também no início desta tarde, após 7 horas e meia de congestionamento de pelo menos 10 quilômetros. A pista foi liberada no sistema ‘Pare e Siga’.

A PRF (Polícia Rodoviária Federal), equipes da CCR MSVia, Polícia Civil e Perícia Científica estão no local realizando os levantamentos.

O delegado Willian Rodrigues, da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Cepol, que atendeu ao acidente, disse que o motorista do caminhão que transportava a carga de porcos possivelmente tentou uma ultrapassagem e acabou batendo nos outros veículos que vinham no sentido contrário. 

Casal que morreu tinha viagem planejada há 1 mês

Elvis Ajala, de 42 anos, cunhado de Fernanda, disse ao Jornal Midiamax que todos estavam a caminho da praia, e que Fernanda e o marido iriam acompanhá-los, ele e a mulher, que não conheciam a praia. Ainda segundo ele, a viagem foi planejada havia 1 mês.

O ponto de encontro entre os casais seria um posto de combustível em Anhanduí. Elvis falou que saiu de Sidrolândia e ficou na espera e quando Fernanda e o marido não chegaram ficou sem entender o que estava ocorrendo. Assim, ele pegou o carro e voltou na rodovia quando viu o acidente, “uma fatalidade”. 

Eles iriam passar sete dias em Itapajé, Santa Catarina. Uma das carretas que se envolveu no acidente acabou tombando a uma altura de seis metros, e segundo informações passadas ao Midiamax, a carga espalhada dificultou a análise da dinâmica do acidente.

Um policial chegou a parar um outro caminhão alto que estava na estrada para subir no veículo e conseguir ver uma das carretas tombadas e um carro.

Casal ocupante do Ônix que morreu. (Reprodução, Redes Sociais)