Uma batida policial prendeu em flagrante um homem, de 30 anos, dono de uma tabacaria e apreendeu mais de R$ 30 mil em produtos na Rua Bom Sucesso, no Marcos Roberto, em Campo Grande, na tarde desta quinta-feira (18).

Ao tomarem conhecimento de que o estabelecimento comercializava itens proibidos, equipes da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) da Polícia Civil e Procon (Secretaria Executiva de Orientação e Defesa do Consumidor) foram até o local. 

Foram apreendidos 269 maços de cigarros do Paraguai, 106 cigarros eletrônicos descartáveis, oito vapers – que são cigarros eletrônicos utilizados com essência líquida -, 18 resistências, 112 essências líquidas e 29 garrafas de bebidas diversas descaminhadas, ou seja, de origem desconhecida.

O valor da não foi divulgado, mas segundo o delegado Reginaldo Salomão, em média, cada cigarro eletrônico descartável custa em torno de R$ 50 a R$ 60, já o vaper a de R$ 300.

Salomão ressaltou que além da venda dos cigarros eletrônicos, os acessórios também têm sua comercialização proibida. 

“Todo e qualquer tipo de acessório para cigarro eletrônico são proibidos em solo brasileiro. É proibida a fabricação, produção, comercialização, expor a venda e ofertar em propaganda”, ressalta. 

Uma orientativa, deflagrada pela 5ª Delegacia de Polícia Civil, já foi feita no local em 2019, para que a tabacaria realizasse as devidas regularidades. Regularidades em relação a alvará e licenças foram feitas, porém, o proprietário estava comercializando os itens, proibidos por lei no Brasil. 

Diante dos fatos, o homem segue preso em flagrante.

(Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

Texto: Rafael Dias e Livia Bezerra.