Segundos após conversar com a advogada, de 46 anos, que foi esfaqueada por um adolescente, de 15, na Escola Municipal Bernardo Franco Baís, na tarde desta quinta-feira (18), o professor Willian Silva ajudou um agente patrimonial a conter o agressor. De início, ele achou que a mãe do aluno tinha sido agredida com um soco e só percebeu que o menor estava com a ao ver o brilho do objeto.

“Eu vi a faca brilhando na mão dele, estava focado na mão. Foi instinto porque ele não queria soltar a faca. Eu segurei no punho dele e o desarmei”, relatou o professor ao Jornal Midiamax. Ele ainda explica que o agente patrimonial que conteve o adolescente teria jogado uma mesa em cima dele, para conseguir imobilizá-lo contra a parede.

Em seguida, o funcionário gritou para o professor ajudar. Ele relatou que o adolescente “era muito forte” e, num primeiro momento, não quis responder qual o motivo de ter esfaqueado a mãe do aluno. “A provável raiz disso pode ter vindo de um problema familiar”, disse o professor, sem especificar.

Willian conversava com a advogada, que estava deixando o filho para o início da aula. Pouco depois, a coordenadora teria chamado o menino afirmando que a aula já estava para começar. Segundos depois do filho da vítima passar o portão, o adolescente atacou a advogada.

Na sequência, o ex-aluno teria corrido para o portão que dá acesso às salas de aula, quando foi contido pelo agente. Já a vítima foi levada para a sala dos professores e funcionários da fizeram compressa para estancar o sangramento.

“Tive que me concentrar para dar aula depois, porque as têm 8 e 9 anos, para não demonstrar essa situação para elas”, finaliza o professor.

GCM, PM e Corpo de Bombeiros foram acionados. (Foto: Kisie Ainoã – Jornal Midiamax)

Adolescente estava com 4 facas e uma marreta

O adolescente de 15 anos estava com quatro facas e uma marreta quando revistado pela PM e GCM. Ele teria escolhido a vítima ‘aleatoriamente’ e foi encaminhado para a Deaji (Delegacia Especializada no Atendimento à Infância e Juventude).

Conforme informado pelo tenente Rafael Ribeiro Soares, da PM, o adolescente não estava encapuzado e foi contido inicialmente pelo agente patrimonial que estava na entrada da escola. Com ele foram localizadas duas facas, além de outras duas e uma marreta dentro de sua mochila.

O tenente ainda explica que, a princípio, a vítima foi escolhida de forma aleatória e não há motivação clara para o ataque. A advogada deixava o filho na porta da escola quando foi atacada.

A princípio, os policiais receberam a informação de que o garoto estaria trancado dentro do banheiro, mas não foi confirmada. Ele foi retirado por um portão lateral da escola.

Os policiais seguem na frente do colégio para garantir a segurança dos professores e alunos que ainda estão na unidade, já que a princípio as aulas seguem normalmente.

Atingida na lombar

Equipes da GCM e da Polícia chegaram a ficar cerca de meia-hora no interior da escola, junto ao ex-aluno. A vítima, uma advogada de 46 anos, deixava um dos filhos quando foi surpreendida pelo adolescente.

Segundo o outro filho da mulher, que a acompanhava, o adolescente atingiu sua mãe foi na região da lombar. Ela recebeu atendimento do Corpo de Bombeiros e foi encaminhada para a Santa Casa.

Os alunos do turno vespertino estão sendo recebidos normalmente pela escola, apenas entrando por um portão lateral. A princípio, as aulas seguem normalmente.