O assassinato de Wagner Vicente Pereira da Silva teria sido premeditado, já que a cova em que o corpo da vítima foi enterrado teria sido escavada horas antes do crime, no último domingo (19), em Campo Grande, no bairro Amambaí. 

De acordo com informações passadas pelo delegado da DHPP (Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa), Carlos Delano, Wagner mantinha um relacionamento há dois anos e o companheiro estaria desconfiado, já que a vítima estava aparecendo com roupas novas. 

Wagner era usuário de crack e teria dito ao companheiro que iria se internar em uma clínica de reabilitação. Ainda segundo informações, o companheiro de Wagner mantinha outro relacionamento, mas teria ficado com raiva ao ver a vítima diferente chegando com roupas novas em casa.

No domingo (19), o companheiro de Wagner teria recebido mensagens de uma pessoa que seria endereçada à vítima. Logo após as mensagens, o companheiro de Wagner, o sobrinho e mais uma terceira pessoa encontraram a vítima no Horto Florestal e de lá todos foram para casa, no Amambaí. Já na residência, o companheiro passou a agredir com tapas Wagner e logo depois os outros dois passaram a enforcar a vítima com fios.

Wagner foi assassinado e o corpo jogado dentro da cova. A vizinha, que está presa, teria dado orientações ao trio de como fazer para que o corpo não exalasse e fosse percebido que alguém estava morto dentro da residência. O sobrinho do companheiro de Wagner está foragido.

Foi pedida a prisão preventiva de todos os três envolvidos no crime.