Um policial do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) da PM (Polícia Militar) é procurado pela PC (Polícia Civil) de após se envolver em um duplo homicídio, no Centro de Rondonópolis (MT), na madrugada da última quarta-feira (27). Um PM lotado na cidade onde ocorreu o crime foi preso na manhã desta sexta-feira (29).

O crime teria acontecido por volta das 2h20 da madrugada. Oziel Ferle da Silva, de 35 anos, William Ferreira de Oliveira Filho, 25, Odinilson Landvoidt de Oliveira, 41, e Thiago Rodrigues Lopes, de 37, foram baleados. Odinilson e Thiago morreram no local, enquanto Oziel e William foram socorridos pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Conforme uma denúncia enviada ao site da região, Agora MT, os dois policiais teriam ingerido bebidas alcoólicas e outras substâncias, quando resolveram sair em um veículo disparando em pessoas em situação de rua e dependentes químicos que encontrassem pela rua.

Os policiais teriam usado duas pistolas Glock 9mm da PM e um revólver 38 sem registro, cujo dono seria um dos policiais. Em meio aos ataques, um dos policiais teria atingido o outro na panturrilha, ainda dentro do carro, e foi levado à Santa Casa de Misericórdia, onde contou que estava caçando na região de Itiquira, quando ficou ferido.

Um boletim de ocorrência registrado pela PM no dia do crime teria informações de que o policial foi abordado e revistado, mas nenhuma foi localizada. 

Segundo a Polícia Civil de Mato Grosso, os policiais já foram identificados como autores dos homicídios. O PM foi preso no batalhão onde atua na manhã desta sexta-feira (29) e o policial do Bope é procurado pela PC em Mato Grosso do Sul.

A motivação do crime teria sido por ódio contra pessoas em situação de vulnerabilidade social. Mandados de prisão temporários contra os policiais foram expedidos pela Justiça de MT e o caso é investigado pela DHPP (Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa) da cidade. Mandados de busca e apreensão para localizar o carro e armas usadas no crime estão sendo cumpridos.

Oficialmente, o delegado Thiago Garcia deu detalhes da investigação. “A Polícia Civil deu uma rápida resposta a esse crime que chocou a população e as evidências reunidas apontam que a motivação pode estar ligada a crime de ódio contra pessoas em situação de vulnerabilidade. No transcorrer da investigação, tomamos conhecimento de que um policial deu entrada na Santa Casa, vítima de um disparo, com um veículo de cor escura similar ao usado no crime e, a partir daí, conseguimos esclarecer a autoria”.

Por meio de nota enviada à imprensa, a PMMT (Polícia Militar de Mato Grosso) afirmou que está tomando as providências para que os envolvidos sejam responsabilizados em sede disciplinar. 

“Exaltar como fazemos o trabalho honrado da esmagadora maioria de policiais militares não nos poupa o dever, em ocasiões como esta, de constatar a existência nefasta de uma minoria que conspurca a farda que enverga. Ao tomar conhecimento da participação de dois policiais militares nos bárbaros homicídios em Rondonópolis dias atrás, nosso sentimento é de desgosto e zelo pela tropa que não se confunde com tais práticas. Dessa forma, temos a informar que a PMMT toma desde já todas as providências na direção de responsabilizar os envolvidos em sede disciplinar”.

A nota diz ainda que as investigações por parte da Polícia Civil terão todo apoio da PM. “Ressaltamos ademais que ambos foram devidamente identificados, e que, nesta hora, a investigação da Polícia Civil conta irrestritamente com todo nosso apoio. Por fim, assevero que a Corregedoria da PMMT através dos procedimentos cabíveis dará a pronta resposta à sociedade mato-grossense, em vista da Vida, bem-maior que defendemos e dos policiais militares que fazem jus a esse propósito”.