Policiais da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), em conjunto com a Delegacia de Polícia Civil de Paranavaí (PR), deflagraram mais uma fase da Operação Sentinela, no Município de Paranavaí, após o Núcleo de Inteligência Policial (NIP/DEPCA) identificar que um indivíduo residente naquela cidade comercializava e compartilhava material de abuso sexual infantojuvenil.

De acordo com a polícia, a investigação durou cerca de 6 meses e nesta data, ao cumprirem o mandado de busca e apreensão, os policiais encontraram no aparelho celular a materialidade delitiva.

Os investigadores também constataram que o homem comercializava vídeos de Pornografia Infantil na forma de “Packs” (pacotes de fotos e ou vídeos que contém pornografia infantil), pelo preço de até R$ 100,00. Toda a transação era realizada em sítios da Dark Web e negociada via PIX. As diligências desta manhã são desdobramentos da Operação Sentinela, desenvolvida permanentemente pela DEPCA, a partir de denúncias recebidas em parceria com a National Center for Missing & Exploited Children – NCMEC (EUA) e Polícia Federal.

Diante dos fatos, a autoridade policial efetuou a prisão em flagrante do suspeito, indiciando-o pelo cometimento dos crimes previstos nos art. 241-A e 241-B, do Estatuto da Criança e do Adolescente. Se condenado, o suspeito pode receber pena de reclusão de até 10 anos, pelos dois crimes cometidos.