A Polícia Civil de investiga participação de advogado de Campo Grande em esquema de falsificação de documentos para aplicar golpes em agências bancárias da Capital.

Tudo começou com a prisão de um homem que possivelmente integra organização criminosa. Ele foi detido na quarta-feira (1º) em Coxim, a 253 km de Campo Grande, tentando autenticar uma procuração utilizando documento . Com ele, a polícia encontrou outro documento com a foto dele, mas com dados de outra pessoa. Ele já possui passagens por uso de documentos falsos.

Interrogado pelos policiais, o suspeito confessou que foi contratado para levar a procuração para Campo Grande para algumas pessoas. Ele confessou ter sido contratado por R$ 200 por essas pessoas, que também forneceram a documentação falsa a ele e o enviaram em um ônibus até Coxim para retirar a procuração.

O suspeito afirmou, ainda, que a procuração seria utilizada pelo grupo para aplicar golpes em agências bancárias de Campo Grande.

Assim, um homem que se identificou como advogado campo-grandense e pediu urgência na emissão da procuração no Cartório de notas de Coxim está sendo investigado, bem como a pessoa nomeada na procuração.

Um dos documentos falsos apreendidos pela polícia contém a qualificação de uma pessoa que foi presa em tentando aplicar um golpe de quase R$ 30 bilhões no ano de 2017.

No total, foram apreendidos dois talões de cheque, sendo um com indícios de adulteração e outro de pessoa desconhecida, dois documentos falsos com a foto do indiciado e outros documentos de pessoas diversas com indícios de falsificação.

A Polícia Civil de Coxim, distante 253 km de Campo Grande, prendeu nesta quarta-feira (1º) possível integrante de organização criminosa com documentos falsos que seriam utilizados para aplicar golpes em agências bancárias da Capital.

Conforme a polícia, ele estava com documentos em nome de um criminoso que foi preso em 2017 ao tentar aplicar golpe de quase R$ 30 bilhões em Salvador.

Saiba Mais