Operação deflagrada, pela Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai e pela do Brasil na manhã desta terça-feira (18), nas proximidades de Salto Del Guairá, na fronteira com Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul, desarticulou organização criminosa que era inspirada em cartéis mexicanos. Ação foi denominada Ignis e resultou na prisão de 10 pessoas e em 9 mortes.

Durante a ação dos agentes dos dois países, um dos líderes de uma violenta organização criminosa que exercia domínio na região de fronteira por meio do tráfico de drogas e de armas, foi preso. Trata-se de Ricardo Luis Picolotto, mais conhecido como ‘R 7'.

O brasileiro é apontado como sócio de Santiago Acosta Riveros, conhecido como ‘O Macho', que é considerado o líder da organização. Apontado como um dos grandes fornecedores de armas e drogas para criminosos que atuam no Rio de Janeiro, seu grupo operava grandes esquemas de tráfico internacional que tinham como destino o Brasil.

A organização criminosa desarticulada também se caracterizava por ações de extrema violência contra facções rivais e contra policiais e militares das Forças Armadas, tanto brasileiras quanto paraguaias.

‘O Macho' é considerado foragido da pelo envolvimento no homicídio de um militar do exército brasileiro em 2020. Ele resistiu a uma abordagem realizada por militares brasileiros a uma das embarcações do grupo, que navegava no Rio carregada com mais de meia tonelada de maconha. Por esse motivo, seu nome está na Difusão Vermelha da Interpol.

Agentes paraguaios durante ação contra organização criminosa (Foto: reprodução, Senad)

Arsenal bélico

O que também chamou a atenção durante a operação, foi o arsenal bélico encontrado com o grupo, em uma área rural na zona de Salto del Guairá, no Paraguai, próximo à fronteira brasileira.

Fuzis, grande quantidade de munição e uma metralhadora antiaérea foram apreendidos na ação, que segue sendo realizada na região de fronteira, com a destruição de pistas clandestinas de pouso utilizadas para envio de cocaína e armas ao Brasil.

Segundo informações divulgadas pela Senad houve confronto com o grupo, que resultou na morte de nove criminosos. Até o momento o nome deles não foram divulgados. Além disso, a ação policial também prendeu 10 pessoas. Na lista estão três brasileiros e sete paraguaios.