Integrantes da quadrilha morta em confronto durante a tentativa de roubo de uma caminhonete possuíam uma vasta ficha criminal. Os criminosos tinham passagens por ameaça a juízes e promotores do Estado de Goiás. Na noite desta sexta-feira (8), seis foram mortos por policiais, em Anastácio, distante 135 quilômetros de .

Segundo o Delegado Geral da Polícia Civil, Roberto Gurgel, além de ameaça a autoridades, os integrantes também tinham passagens por tráfico de drogas, roubo e homicídios.

Ainda de acordo com Gurgel, os bandidos ‘escolhiam’ os alvos e os veículos. Parte da quadrilha ficava com as vítimas enquanto o restante seguia com os veículos roubados até o Paraguai ou Bolívia.

(Delegado-Geral da Polícia Civil, Roberto Gurgel. Foto: Lívia Bezerra/Midiamax)

Os bandidos foram identificados como Cristian Souza do Nascimento, Marcos Vinicius de Souza Santos, Nycolas Henrique Mendes dos Santos e Cláudio Agenor Pereira Gimenes, conhecido como ‘Gordão’. Os membros da quadrilha eram especialistas em roubos de caminhonetes.

O líder da quadrilha foi identificado como ‘Gordão’ e outro membro identificado como ‘Nycolas’, sendo que todos eram de Goiás. A caminhonete seria levada para a Bolívia. Com a descoberta da movimentação do grupo, os policiais da Defurv (Delegacia Especializada em Repressão a Roubos e Furtos de Veículos), passaram a fazer o monitoramento pela região.

Durante o monitoramento, os policiais flagraram Nycolas entrando em um Fiat Uno e passando em outra residência onde outros integrantes da quadrilha embarcaram, em Campo Grande e seguiram para Anastácio

No meio do caminho, a quadrilha encontrou com mais dois membros em um posto de que estavam em uma seguindo pela MS-170, entrando em uma de terra.

Durante a abordagem, do veículo Fiat Uno, havia quatro integrantes, todos armados, que efetuaram disparos contra os policiais. Houve um confronto e seis bandidos morreram.

Dentro do veículo foram encontrados objetos como braçadeiras e fita silver tape, além das armas de fogo.