Conhecido como ‘Fantasma’, Jorge Adalid Granier Ruiz recebeu liberdade antecipada pela Justiça Federal e será extraditado. Condenado por uso de documentos falsificados, o líder boliviano do (Primeiro Comando da Capital) também era procurado pela justiça da Argentina.

Após condenação de ‘Fantasma’ em 30 de junho deste ano, a Embaixada Argentina formalizou pedido de extradição de Jorge Adalid. Ele é procurado pelas autoridades argentinas para responder pela suposta prática do crime de tráfico internacional de entorpecentes ocorrido em 24 de setembro de 2020.

Apesar de homologar a declaração voluntária de extradição do boliviano, o (Ministério Público Federal) questionou a liberação antecipada do extraditado. Isso porque ele foi condenado a dois anos de reclusão.

No entanto, Jorge permanece preso preventivamente para garantir a extradição. Em 29 de março, o STF (Supremo Tribunal Federal) determinou a prisão preventiva do boliviano para assegurar a efetividade do processo de extradição.

Após o parecer ministerial apontar que, embora o acusado não tenha iniciado o cumprimento da pena, tal fato não impede o deferimento da liberação antecipada. Então, o Poder Judiciário autorizou a liberação antecipada do extraditado.

Prisão em MS

Jorge foi preso por agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) em março deste ano. Ele estava com o nome incluído na Difusão Vermelha.

A decisão foi da 3ª Vara da Justiça Federal em 22 de junho, onde é relatado que ‘Fantasma’ foi preso com documentos falsos no nome de um boliviano, Jorge Mendez Ardaya, que segundo ele havia comprado pelo valor de R$ 5 mil.

Os documentos foram adquiridos por ‘Fantasma’, já que ele era procurado pela polícia da Argentina pelo crime de tráfico de drogas, no dia 24 de agosto de 2020. Devido à confissão espontânea, a pena de Jorge foi definida em 2 anos e 10 dias multa inicialmente em regime aberto. 

Jorge foi preso no posto da em Jaraguari, durante fiscalização de rotina. Ele usava documentos falsos que custaram cerca de R$ 5 mil, de acordo com ele mesmo em depoimento. Ainda foi preso junto com ele o motorista Valderson Pereira dos Santos, de 43 anos, que era foragido por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.

Jorge e uma jovem, de 23 anos, eram passageiros de Valderson em uma Toyota Hilux quando foram presos. Com a jovem não foi encontrado nada de ilícito, mas diante das circunstâncias ela também foi encaminhada para a Polícia Federal.

‘Fantasma’ confessou ser membro do PCC (Primeiro Comando da Capital) e jornais argentinos apontam estreita ligação entre o filho de Jorge e Giberto Aparecido dos Santos, o ‘Fuminho’. Este, preso em 2020, é considerado pessoa de confiança de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado pela polícia como líder do PCC.

Saiba Mais